RJ pode ser o primeiro estado a usar identificação biométrica em eleição

Essa semana, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro anunciou a intenção implementar a identificação biométrica no estado já para a próxima eleição de 2012. O leitor biométrico é um aparelho que reconhece a impressão digital da pessoa. É o mesmo equipamento usado pelo Detran  na emissão de identidades e para controlar a presença de alunos nas auto escolas.

É um recurso moderno que serve para combater as fraudes, oferecendo mais segurança e legitimidade ao pleito. Segundo o TRE-RJ, existem no Estado do Rio tem no total 13 milhões de eleitores. Já no sistema do Detran do Rio, são 6 milhões de pessoas cadastradas. O Tribunal estuda uma maneira de cruzar os dados e, em seguida, completar o cadastro biométrico com o restante dos eleitores. Os novos títulos passariam a ser emitidos já com a identificação.

A primeira experiência com a nova identificação foi utilizada pela primeira vez na eleição do ano passado em algumas cidades. A meta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é que todos os eleitores brasileiros estejam aptos a ser identificados pelas digitais até 2018.

O projeto vem para melhorar o sistema eleitoral brasileiro que é considerado o mais moderno do mundo em função da praticidade e agilidade do processo de votação e apuração. Em 2010, por exemplo, conhecemos o novo presidente após 1h de iniciada a contagem dos votos.

Pela recuperação da Casa Norival de Freitas

 

A iniciativa da União Metropolitana dos Estudantes do Estado do Rio de Janeiro (Umes-RJ) de buscar fazer da Casa Norival de Freitas um Centro Popular de Cultura e Educação é muito boa. O imóvel faz parte da história da cidade e sua recuperação pode trazer nova vida nas proximidades das ruas São Pedro e São João no Centro de Niterói.

Casa Norival de Freitas pode virar Centro Popular de Cultura e Educação

Soraya Batista – Fluminense

Representantes da União Metropolitana dos Estudantes do Estado do Rio de Janeiro (Umes-RJ) estão lutando para implantar um Centro Popular de Cultura e Educação na antiga casa Norival de Freitas, na Rua Maestro Felício Toledo, no Centro. Eles alegam que a casa está abandonada há anos, além de estar se deteriorando cada vez mais. A Umes destaca ainda que caso a Prefeitura dê permissão, ela poderá captar recursos para  viabilizar o projeto.

O solar Notré Revê (Casa Norival de Freitas) foi construído em 1921 para servir de residência do político fluminense Norival de Freitas.  Em 1983 o imóvel foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac). Em 1984, o sobrado foi parcialmente destruído por um incêndio, mas em 1991, a Prefeitura realizou obras de consolidação estrutural do imóvel, mas atualmente, ele está desativado.

De acordo com Márcio Luiz dos Santos Pereira, de 33 anos, diretor da Umes, a entidade, além de querer implantar o Centro está lutando para que os prédios históricos de Niterói sejam reformados e revitalizados.

“A nossa ideia é que aquele espaço seja transformado em um Centro Cultural dedicado à leitura, dança, teatro, educação ambiental entre outros, e que possa ser um instrumento de cultura e cidadania para a população”.

Márcio conta que no dia 8 de junho enviou o pedido para a Prefeitura e que o secretário de Governo Michel Saad respondeu que o pleito era nobre, mas que a Prefeitura não tinha condições financeiras de viabilizar a obra. Ontem, o diretor da Umes enviou um novo ofício, afirmando que caso a Prefeitura dê permissão, a entidade irá fazer uma grande mobilização para captar recursos.

O secretário de Governo, Michel Saad, esclarece que não recebeu e nem respondeu nenhum pedido da entidade citada. A Secretaria Municipal de Cultura que é a responsável pelo local está estudando projetos para a casa.

Bicicleta elétrica: um veículo sustentável

O Fluminense de hoje traz uma reportagem que fala sobre a iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade de Niterói que está colocando seus funcionários para trabalharem com bicicletas elétricas. O uso do novo veículo faz parte da política “Carbono Zero”, que procura diminuir a emissão de carbono no município.

A proposta é muito boa. Como entusiasta da utilização das bicicletas como meio de transporte, acredito que a prefeitura está empenhada em estimular e oferecer condições para que todos os nitroienses possam usá-las na cidade.

As bicicletas elétricas, por exemplo, são excelentes para quem mora no centro urbano, perto do trabalho e da escola, ou precisa percorrer curtas distâncias. Isso sem ficar parado no trânsito, sem suar e sem poluir o meio ambiente. A maioria dos modelos percorrem cerca de 40km com uma única carga numa média de velocidade de 25km/h. Se a carga terminar, usa-se os pedais normalmente. E para recarregar é simples: basta ligar a bateria na tomada. O valor delas está em torno de R$ 2.000 e o consumo é algo como R$ 0,02 o quilômetro rodado.

A secretaria ainda tem uma ideia muito interessante que pretende levar ao secretário estadual de Transportes, Julio Lopes. A proposta consiste na construção de uma malha cicloviária, ligando Jurujuba ao Leblon. Isso incentivaria os passeios ciclísticos e turismo na cidade de Niterói. Num contexto em que o governo está trabalhando para transformar o Rio no Estado da Bicicleta, essa sugestão tem tudo a ver.

Campeonato mundial de ciclismo no RJ

Após divulgar aqui os investimentos que a Prefeitura de Niterói tem feito na cidade em benefício dos ciclistas, recebo hoje outra boa notícia. O Estado do Rio vai sediar entre os dias 27 e 31 de julho a maior competição internacional de ciclismo de estrada da América Latina.

O Tour Rio contará na classificação desta modalidade para as Olimpíadas de Londres, em 2012. A competição está dividida em cinco etapas e Niterói está inserida na etapa final.

Uma disputa desse porte, além de incluir o Rio de Janeiro no calendário esportivo internacional, é uma chance de divulgar a cultura do ciclismo entre as pessoas.

O Tour Rio também vai movimentar o turismo nas cidades selecionadas e vai ajudar a tornar Niterói um pouco mais conhecida.

Rota Ciclável na Rua Marechal Deodoro

No sábado, dia 23, a Nittrans demarcou mais uma rota ciclável em Niterói. Dessa vez, na Rua Marechal Deodoro.

Apesar das críticas a essa iniciativa, considero as rotas cicláveis uma proposta viável dentro do conceito da sustentabilidade. Ao contrário do que muitos estão falando, elas não são ciclovias, são pistas de rolamento destinadas ao uso compartilhado entre bicicletas e carros.

As ciclovias são pistas exclusivas para bicicletas. Está programado a construção de uma entre o Barreto e o Gragoatá em parceria com a Secretaria de Estado de Transporte para atender o fluxo entre a Zona Norte e a Zona Sul da cidade.

Jango: correção de uma injustiça histórica

Quando era garoto e estudava a história nacional, sempre imaginava como poderia ter sido o destino do Brasil se não houvesse acontecido o Golpe Militar em 64. E que tipo de governo teria realizado João Goulart se ele tivesse executado suas ideias reformistas em benefício dos pobres e dos trabalhadores.

Jango foi um político único que tentou proporcionar, numa época de radicalizações entre esquerda e direita, um governo de coalisão a favor do Brasil. Democrata, nacionalista e desenvolvimentista, João Goulart era um político de seu tempo. Governou inspirado pelas políticas europeias onde o Estado era interventor e planejador da economia e pelo sucesso da industrialização socialista. Visitou a China e afirmou parcerias com os americanos em um momento que o mundo assistia a polaridade econômica. Queria um país independente e evoluído.

O governo Goulart defendia o povo brasileiro. Primava pela autonomia, “a intervenção do Estado na economia e nas relações entre patrões e assalariados, a manutenção e a ampliação dos benefícios sociais aos trabalhadores, a reforma agrária e a liderança política partidária de grande expressão”. Tudo de maneira legal, dentro da Constituição vigente na época.  Um processo interrompido de maneira covarde pelos militares que mandaram para o exílio e para as salas de tortura, não só ele como os seus aliados e muitas outras mentes inovadoras que colaboravam para a construção de uma nação.

Jango foi taxado de populista, ridicularizado e esquecido. E, agora, lembrado por Jorge Ferreira, professor de História do Brasil da Universidade Federal Fluminense, em seu livro “João Goulart – Uma Biografia”. O trabalho estampou a capa do caderno Ilustrada do jornal Folha de S.Paulo do dia 17 de julho.

O autor defende que Jango foi o último presidente legítimo a manter relações reais de identificação com a sociedade, especialmente com os trabalhadores.

Por isso, acredito ser o livro importante. Porque ele traz à luz a vida de um líder que tinha, há 50 anos, propostas as quais estamos lutando para fazer valer hoje. É fazer justiça a um personagem relevante de nossa história que se tivesse tido apoio, poderia ter transformado o país e entregado à nossa geração um Brasil muito diferente.

Mensagem aos amigos

Segunda-feira (18), estive no Clube Português para prestigiar a palestra do orador espírita Divaldo Franco. Suas palavras foram pertinentes ao tempo que vivemos e buscaram levar conforto e otimismo aos presentes.

A grande mensagem da noite foi “acordar para a realidade”. Divaldo fez uma crítica às pessoas que se deixam seduzir pela ilusão das coisas fáceis e belas acreditando que nelas poderão encontrar a felicidade. Para justificar sua observação, o orador recorreu aos gregos e narrou o mito de Narciso que se apaixonou pela própria imagem e morreu de fome e sede ao não resistir ao fascínio.

Ainda no intuito de mostrar como a busca pela verdadeira felicidade é antiga, Divaldo falou sobre Buda que abdicou de seu reino e do luxo ao descobrir que seu povo vivia na miséria. Depois de intensa meditação, Buda atingiu o “Nirvana” e passou a vida a ensinar o caminho para a generosidade e o amor.

Generosidade e amor também foram os preceitos ensinados por Jesus, 800 anos depois. As lições do filho de Deus resistiram ao tempo e foram propagados a todos os continentes. Mesmo assim, muitos de nós temos dificuldades de praticá-las. Ao desejar fortuna, beleza e reconhecimento, as pessoas esquecem o essencial: que a felicidade só é possível quando compartilhada.

Apesar de vermos tanta violência no mundo, também há muita gente boa. Pessoas que se superam todos os dias, enfrentando as adversidades da vida real para melhorar a vida dos outros. E para que sejamos maioria, Divaldo ensinou três regras simples que devemos exercitar em nós: o pensamento certo, a fala reta e a atitude correta. Só assim será possível convivermos com respeito e harmonia.

Independente de crença ou religião, acredito que esta mensagem seja universal. Esta é a minha humilde contribuição ao Dia do Amigo.

Rota Ciclável em Niterói

Essas são fotos da primeira implantação de “Rota Ciclável” em Niterói. O caminho é um projeto piloto que já pode ser visto na Rua Barão de Amazonas. Hoje à noite a Nittrans vai pintar a ciclofaixa na Rua São Loureço. Em breve, serão as ruas São João e Visconde de Itaborai.

Congresso aprova salário mínimo de R$ 616 para 2012

O Congresso aprovou no dia 13/07 o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano de 2012. Senadores e deputados federais mantiveram o valor do salário mínimo previsto pelo Executivo de R$ 616,34. Além disso, a LDO estabelece que o Orçamento da União para o ano que vem terá que preservar uma dotação para o aumento real aos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
Essa aprovação dá sequência ao projeto de valorização no longo prazo do salário mínimo. Além disso, a ampliação dos benefícios aos trabalhadores brasileiros, se comparado ao cenário de crise e perda de direitos sociais na Europa, representa um indicador da estabilidade de nossa economia. Na verdade, ela se soma a outros números significativos como o contínuo crescimento na geração de empregos e da renda per capita do brasileiro.
Depois de anos de instabilidade e preocupação, o trabalhador brasileiro merece viver este momento de valorização.

Nova forma de fazer política é possível

Nos últimos dias, importantes canais de notícia do país passaram a fiscalizar a atuação dos parlamentares na Câmara dos Deputados. Ontem, o UOL Notícias apresentou a disparidade na utilização da cota parlamentar entre os representantes eleitos pelo povo. Hoje, o G1 divulgou um índice das presenças e faltas dos deputados.

As reportagens são uma reação da mídia à velha maneira de fazer política no Brasil. Nos dois casos, o colega José Antônio Reguffe (PDT-DF) foi muito bem citado. Ele é uma prova de que a mudança é possível. Como ele, existem outros e de outros partidos que merecem o apoio de quem realmente quer políticos mais sérios nos representando.

Notícias assim deveriam ser mais frequentes para que as pessoas tenham a oportunidade de conhecer aqueles que agem com responsabilidade. Mas é preciso lembrar sempre que os políticos não governam sozinhos. Por isso, é tão importante a participação popular, nem que seja para mostrar que está atento, fiscalizando. Acompanhar pela imprensa só não basta. A mudança é um trabalho em conjunto que não se restringe ao período de eleição.