O centenário de Luis Antonio Pimentel

Para comemorar o centenário do jornalista Luis Antônio Pimentel, Niterói preparou uma série de grandes homenagens. Nascido em Miracema, em 29 de março de 1912, Pimentel é considerado o jornalista mais antigo do Brasil ainda em exercício. Se não bastasse, é ainda poeta, professor e memorialista. Também é membro da Academia Fluminense de Letras (AFL), Academia Niteroiense de Letras (ANL) e presidente de honra no Grupo Mônaco de Cultura.

No dia 22 de março, tive a oportunidade de prestigiar nosso ilustre intelectual fluminense na ocasião da abertura da exposição “Luis Antonio Pimentel – 100 anos em foco”, no Solar do Jambeiro, em Niterói. Organizada pelo meu grande amigo Paulo Roberto Ceccetti, a mostra apresenta fotos e vídeos que marcaram a vida do jornalista, entre elas o registro da belíssima homenagem da Comunidade Luso-brasileira. A exposição está aberta à visitação até o dia 29 de abril.

A outra homenagem acontece até o dia 11 de maio na Sociedade Fluminense de Fotografia onde ocorre a exposição “100 x Pimentel”, uma retrospectiva produzida através de pinturas, fotografias, caligrafia e músicas feitas pelo jornalista.

Abaixo, reproduzo o texto homenagem de Paulo Cecchetti à Luis Antonio Pimentel.

 

Ao mestre

Paulo Roberto Cecchetti

Luís Antônio Pimentel, poeta, jornalista, professor, pesquisador, historiador, fotógrafo e artista plástico, é a figura viva da cultura em nossa cidade invicta. Resistência plena. Voz de inúmeras gerações. Verso contido em cada manhã.

Escreveu crônicas, contos, novelas. Prefaciou inúmeros livros dos novos poetas niteroienses. Jornalista mais antigo ainda no exercício da profissão, foi amigo do Barão de Itararé.

Sua nipônica poética – na forma de haicais onomásticos – aparece no singular livro onde o mestre registra a imensa legião de admiradores e admiráveis personagens, relembrados em sentimentos e verdades que não desapareceram da sua memória.

O interessante é que todos, absolutamente todos, são – para o nosso Pimentel – matérias de exaltação, reconstruídas nas inesquecíveis páginas do movimento cultural de Niterói.

Alguns haicais de Luís Antônio Pimentel:

N i t e r ó i
1) Finda a tarde ardente, / ao frescor da Jurujuba, / o mar adormece.
2) Biombo de montanhas. / No espelho da água escondida, Niterói se mira.

A m a z ô n i a
3) Com tremendo estrondo, / rio e mar batem de frente: / ruge a pororoca.
4) As vitórias-régias / só desabrocham à noite para ver a lua.

Natureza
5) Manhã: primavera. / Ao sol: verão. Tarde: outono. / Noite: inverno em Sampa.
6) Chove: chia a chuva / E, de chofre, o chão enxuto / se encharca e se enxágua.

E r ó t i c o
7) Decorei teu corpo. / Sei-o na ponta da línga, / como um bom aluno.
8) Em teus olhos – verde. / Em tua boca – vermelho. / Paro ou continuo?!

O n o m á s t i c o
9) Barra do Furado. / Sérgio Cid põe num ninho / retalhos da infância.
10) Marly com dez lustros: / medalha a florir em versos, / no anverso e reverso.

Dante Luvisotto deixará saudades

Hoje de manhã, compareci ao enterro do grande Dante Luvisotto. Pessoa excelente, humilde, solidário, íntegro e profissional competente, Dante deixará saudades a todos que tiveram o prazer de conviver com ele.
O antigo diretor executivo da Águas de Niterói foi vítima de câncer no pulmão. Mesmo doente, não deixou de trabalhar e só se afastou da empresa na semana passada quando precisou ser internado por conta do agravamento de sua saúde.
O câncer é realmente uma doença imprevisível. Mesmo tendo parado de fumar há 15 anos, Dante não se livrou do mal. E foram apenas cinco meses entre a descoberta e o falecimento. Ele iria fazer 58 anos agora em abril. Uma lástima!
Há exatamente dois anos, quando ainda era vereador, entreguei a ele o título de Cidadão Niteroiense numa sessão solene na Câmara Municipal de Niterói em homenagem aos 10 anos da Águas de Niterói. Reconhecimento merecido a alguém que esteve a frente do saneamento sustentável da cidade e viabilizou projetos importantes voltados para o meio ambiente, cultura e lazer do niteroiense.
Não tenho dúvidas de que ele está agora em um lugar melhor, recebendo a devida assistência e muito carinho. Meu até breve a este grande homem.

Pé Pequeno ganha projeto Vizinhos Integrados à Polícia (VIP)

Na terça-feira (27), estive com moradores do Pé Pequenoe e o 12º BPM para, mais uma vez, discutirmos sobre o problema de segurança em Niterói. O encontro foi muito produtivo e a reunião terminou com a garantia da implantação do Vizinhos Integrados à Polícia (VIP). O projeto é atualmente usado em alguns bairros da Região Oceânica e vem apresentando resultados satisfatórios na diminuição de roubos a residências.

Para entendermos melhor, o VIP funciona com a atuação conjunta de todos os moradores do bairro, separados em grupos de até cinco residências. O principal objetivo de cada um desses grupos é a integração de todos os vizinhos para atuarem de forma mútua e comprometida. Para isso, os vizinhos precisam se conhecer, saber seus hábitos e ter seus contatos.

Como morador do bairro, acredito no sucesso dessa mobilização. A falta de segurança é algo que também me preocupa, principalmente por que tenho filhas pequenas em casa. Reuniões como essa são fundamentais para reconquistarmos o trabalho que existia anteriormente e para que possamos avançar no combate à violência.

Outra notícia positiva foi dada pela inspetora Santana que estava representando o secretário de Segurança e Controle Urbano do município, Rui França. Entre abril e maio, 100 PMs trabalharão em seus dias de folga colaborando com a guarda municipal. A partir de setembro, mais 100 PMs estarão ajudando a guarda. As contratações fazem parte do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis). Esses policiais militares vão ampliando a atuação da guarda municipal uma vez que suas atribuições vão além da permitida para os agentes municipais.

Também me coloquei a disposição dos moradores do Pé Pequeno e, em breve, irei marcar uma reunião com aqueles que foram vítimas de assaltos no bairro e o delegado da 77° DP. Agradeço a todos os presentes na reunião e, novamente, parabenizo o engajamento da população de Niterói nesta causa.

A segurança depende de cada um de nós

Há muito tempo sou um militante da área da segurança pública. Foi aos 21 anos que decidi dar início ao Movimento Niterói Com Segurança, que mobilizou a população no fim da década de 90 para cobrar melhorias para a segurança pública em nossa cidade.

Na época, obtivemos vitórias importantes. A principal delas foi trazer o policiamento comunitário para a cidade de Niterói, inicialmente implantado em Santa Rosa e depois estendido para outros bairros da Zona Sul, da Zona Norte e da Região Oceânica, com mais de 100 policiais envolvidos.

Infelizmente, com o passar dos anos, o policiamento comunitário foi sofrendo diversos revezes até ser completamente desativado. Este processo foi continuamente denunciado e cobrado em nossos mandatos.

Verdade seja dita, tudo o que conquistamos foi sempre através da mobilização e reivindicação. Quando a população se une pra dizer o que precisa, as coisas acontecem de fato. Por isso quero parabenizar o engajamento da população de Niterói que recentemente voltou a lutar por mais segurança para a cidade. Os habitantes trouxeram à tona problemas que precisavam ser enfrentados de fato.

O governador Sergio Cabral ouviu o que Niterói falou. E nossas autoridades de segurança locais também. Como resultado, estamos recebendo noticias muito positivas, como o aumento do efetivo do 12º Batalhão e a reativação do policiamento comunitário. Trinta policiais militares foram remanejados para Niterói e estão recebendo o treinamento do programa de Policiamento Comunitário coordenado pela major Íris Milena, cedida pelo Comando Geral da PM por três meses para ajudar o 12º BPM a reativar o programa.

A Prefeitura de Niterói também agiu e autorizou a contratação imediata de 100 PMs lotados no Batalhão de Niterói para trabalharem em dias de folga na Guarda Municipal, dispositivo previsto com recursos do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis). O policial que trabalha sob o sistema do Proeis é beneficiado com aumento na renda e o segundo emprego autorizado. Em contrapartida, a cidade terá mais policiais nas ruas.

Na reunião de terça-feira (20), além dessas informações serem melhor detalhadas, houve também o compromisso de trazer o Comandante Geral da PM à cidade para que ele também ouça os apelos da população.

Na oportunidade, reiterei a importância da volta dos Conselhos Comunitários de Segurança para que os representantes de cada bairro estabeleçam contato direto com o 12º BPM, vereadores e a Prefeitura, como ocorria no passado. Através dessa instância, a população terá instrumentos para continuar persistindo no retorno de antigos projetos como ponto eletrônico, comunicação por rádio e o monitoramento por câmeras que tanto fazem falta para a cidade.

Naturalmente, houve críticas ao tempo de resposta do combate à criminalidade, como também meu posicionamento em relação às ocorrências que atemorizam a cidade. Quando me dispus a ir a essa reunião com o comandante, eu sabia que ia ouvir. Sabia que era colocar a “cara a tapa”. Mas nunca foi do meu temperamento abandonar as causas que eu defendo porque A ou B não gostam de mim, não gostam que eu seja do PDT, ou não gostam do governo Cabral.

Como morador de Niterói, fico igualmente preocupado com a situação que a cidade passa. Portanto, pretendo continuar organizando reuniões em outros bairros, porque este é um assunto que domino e desejo ver resolvido. É também um pedido do próprio comandante. Ele, inclusive, gostou muito da reunião em São Francisco e reitera que está disponível para a população. A resposta completa está publicada no Facebook.

TSE censura políticos no Twitter

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu ontem, por 4 votos a 3, que candidatos a cargos eletivos não podem usar o Twitter para publicar mensagem de caráter eleitoral antes do período permitido por lei (6 de julho). Os ministros consideraram o microblog como meio de comunicação de massa, assim como a TV e o rádio. A proibição já vale para este ano e se estende as demais redes sociais como Facebook e Orkut.

Discordo dessa avaliação. Penso que as redes sociais são espaços ondes as pessoas se associam por vontade própria e estabelecem um diálogo. É um canal de comunicação sim. Mas não de massa. Sua dinâmica em nada se compara com o modelo passivo e abrangente de veículos como a TV e o rádio. No meu entendimento, existe uma diferença entre divulgar uma mensagem, foto ou vídeo no Twitter e um comercial no intervalo do Jornal Nacional.

A posição do ministro Gilson Dipp exemplifica minha opinião. Ele votou contra a proibição e considera as redes sociais uma forma de “propaganda eleitoral lícita, doméstica, caseira, feita entre conhecidos, fora do objeto da proteção que a lei pretendeu, estando assim livre em qualquer período”.

A ministra Carmen Lúcia também acredita que as redes sociais não sejam meios de comunicação tradicionais. E sim espaços para conversa. “As pessoas conversam e, em vez de ser uma mesa de bar, é uma mesa de bar virtual. Nós vamos impedir que as pessoas se manifestem?”, foram as palavras durante seu o voto.

Aqueles que votaram a favor da proibição defendem que o alcance das redes sociais é incontrolável e, por isso, as publicações também se enquadram na definição de autopromoção. Mas esse conceito é muito subjetivo. O que seria autopromoção na rede social? Se um político que deseja ser candidato for a um evento, registrar sua presença com uma foto e publicar em seu perfil estará cometendo uma infração? Se uma pessoa entrar no perfil do pré-candidato e fizer uma pergunta (ou uma acusação) sobre um tema pertinente à eleição ou uma bandeira a que defende, será preciso omitir-se de opinião sob o risco de ser multado?

A determinação do TSE vem aprofundar ainda mais a hipocrisia que envolve as campanhas eleitorais. A forma como se realizam hoje, com prazos curtos e limitados, apenas jogam a população contra os partidos e os políticos. Deixa uma sensação de que os candidatos só aparecem em períodos eleitorais e abandonam a população no momento seguinte. Contudo, todos sabem que a agitação em torno de uma eleição ocorre muito antes do período regimental. Basta ler os jornais e os debates nos grupos das próprias redes sociais.

Situações como esta só serão resolvidas de fato com a Reforma Política. E este tema deve constar na discussão no sentido de abrir mais a possibilidade da interação entre político e cidadão de maneira a aproximar mais a sociedade do debate político.

Sérgio Cabral apoia recuperação do Aldeia de Arcozelo

Novamente venho escrever sobre o Centro Cultural Aldeia de Arcozelo, patrimônio de Paty de Alferes. Semana passada, estive visitando a cidade junto com o governador Sérgio Cabral e durante esta passagem anunciou seu interesse em investir na recuperação do Aldeia de Arcozelo. Enfim, este projeto pelo qual tanto venho lutando, tem agora grandes chances de sair do papel.

A Aldeira do Arcozelo foi criada por Paschoal Carlos Magno, grande militante cultural que dedicou sua vida a levar a arte para o interior fluminense. Com sua morte, o Centro Cultural passou a ser administrado pela FUNARTE (Fundação Nacional de Arte), do Ministério da Cultura, mas, hoje, encontra-se em estado de total abandono.

Paschoal ergueu o Teatro Renato Vianna, além de duas galerias de arte, biblioteca, restaurante, bar e uma área de hospedagem para participantes de eventos realizados no local. Não podemos permitir que tamanha beleza e potencialidade simplesmente desapareçam.

No momento, a secretária de Estado de Cultura, Adriana Rattes, negocia com o Ministério da Cultura a assinatura de um protocolo de intenções visando formalizar uma parceria entre Governo do Estado e o MinC em benefício do Aldeia de Arcozelo. Com o apoio do MinC e do Governo Cabral, sei que conseguiremos rever este quadro.

É fundamental a preservação deste espaço. A população de Paty e da região Médio Paraíba merece ter acesso à cultura e ao conhecimento. O meu empenho é certo. Estamos juntos nessa luta!

Segurança para uma Niterói mais feliz

Nos últimos dias, tenho recebido muitas mensagens de niteroienses preocupados com a segurança na cidade. Neste fim de semana, o caderno Niterói do jornal O Globo destacou ações violentas de bandidos nas regiões Oceânica e Pendotiba. Na segunda, o RJTV registrou a insegurança dos moradores do bairro de São Francisco.

No bairro onde moro, Pé Pequeno, já teve três roubos a residência nos últimos dias. Até o morro do Preventório, em Charitas, que nunca teve problemas graves de segurança, tem hoje a presença constante de homens armados.

No início da semana, entrei em contato com o governador Sérgio Cabral e pedi uma ação do Estado para restabelecer a tranquilidade de nossa cidade tão conhecida pela sua qualidade de vida. Para minha surpresa, ontem, a cidade acordou com uma megaoperação com homens do 12º BPM (Niterói), do Batalhão de Choque, do Grupamento Marítimo e da Companhia de Cães. Eles realizam blitzes e buscas em comunidades de Niterói e Maricá. Agradeço ao governador por atender ao apelo dos habitantes.

As grandes operações são importantíssimas para restabelecer a ordem, mas como são pontuais, contar apenas com elas não é o suficiente. Niterói precisa de um projeto de segurança de longo prazo. E nós já tivemos essa experiência com o policiamento comunitário. O modelo foi uma conquista dos niteroienses na década passada, mas infelizmente não teve sequência, mesma situação dos Grupamentos de Policiamento em Áreas Especiais (GEPAE) do Cavalão e do Estado.

O policiamento comunitário possui baixo custo e tem a vantagem de aproximar a Polícia dos habitantes. O sistema estabelece um círculo virtuoso onde a população se sente mais segura e os policiais são reconhecidos e trabalham satisfeitos.

O retorno desse projeto faz parte das reivindicações dos moradores de São Francisco que prometem realizar uma manifestação no próximo domingo (11). Protesto legítimo que tem meu apoio e consideração.

Mantenho a confiança de que o governador Sérgio Cabral será sensível às reivindicações dos habitantes de Niterói e que vai providenciar as ações em prol da paz da cidade.

World Bike Tour RJ: esporte e cidadania no maior passeio ciclístico do mundo

Depois de percorrer diversas capitais do mundo, o World Bike Tour (WBT) chega ao Rio de Janeiro com força total e promete mobilizar milhares de usuários de bicicleta. Não só pelo incentivo à prática esportiva, o projeto envolve também ações de cidadania, na busca por mais qualidade de vida, através de hábitos mais saudáveis. Em sua primeira edição carioca, o projeto faz parte das comemorações pelos 447 anos da cidade.

Tenho alguns artigos publicados sobre o ciclismo e o uso da bicicleta como transporte sustentável. O Estado do Rio já foi sede de importantes eventos neste segmento. Só para relembrarmos, em 2011 tivemos aqui diversos campeonatos brasileiros e mundiais de ciclismo, como o Campeonato Brasileiro de Ciclismo e a Taça Brasil Open de Bicicross.

O sucesso do WBT São Paulo, no ano passado, foi relevante para dar continuidade ao projeto no Brasil. Nessa nova edição, seis mil inscritos serão escolhidos por sorteio e percorrerão aproximadamente 11 km, do Aterro do Flamengo até Copacabana. Esse projeto é muito bem-vindo no Rio, também pela motivação à inclusão social, já que portadores de deficiência visual ou física também poderão participar

Diversos eventos paralelos também serão realizados. Do dia 10 ao dia 31 de março, o público poderá pedalar sem sair do lugar, no palco que será montado na orla do Rio, com 12 bicicletas que simulam uma volta virtual ao mundo, num total de 42 mil quilômetros. Todas essas bicicletas serão equipadas com uma estrutura que transforma a energia das pedaladas em eletricidade. Para cada quilômetro percorrido, uma nova árvore será plantada na cidade. A ideia é que até 2016, essas árvores formem os anéis do símbolo olímpico.

Pedalar é um hábito que está conquistando cada vez mais adeptos por ser uma prática saudável e sustentável. Sem dúvidas, uma boa alternativa ao uso de carros que prejudicam o trânsito e poluem o ambiente. Um evento desse porte é uma chance de divulgar a cultura do ciclismo entre as pessoas.

O regulamento e as inscrições podem ser feitas no site: https://inscriptions.worldbiketour.net/RJ_2012/menu.php. O prazo se encerra no dia 09 de março.

Vamos pedalar!