Niterói se prepara para o 3° Salão da Leitura

Forte aliada de incentivo à prática da leitura, Niterói se prepara para mais uma feira literária. O 3° Salão da Leitura acontece de 22 a 30 de junho, no Caminho Niemeyer, no Centro. Uma das maiores existentes na região fluminense, já faz parte do calendário oficial do município.

Para essa nova edição, os organizadores realizarão shows, debates literários e tardes de autógrafos. Se antes, em eventos do tipo só existiam os livros, hoje podemos contar com inúmeras formas de linguagem importantes para o aprendizado de crianças e jovens. O trabalho desenvolvido na feira é muito importante. Niterói merece, nossas crianças merecem.

Relembrando o centenário do jornalista Luiz Antonio Pimentel, será realizada, no último dia do Salão, uma merecida homenagem ao ilustre profissional que dedicou grande parte de sua vida ao jornalismo ético e centrado. Vale conferir!

Também como forma de incentivo à leitura, além reforçar e ampliar o acervo para as bibliotecas e escolas municipais, desenvolvi o projeto de lei 152/2010 que institui a campanha permanente de doação de livros e revistas. Essas doações podem ser feitas por qualquer pessoa e estarão em um banco de dados, para garantir o acesso de todos ao acervo.

Câmara de Niterói homenageia artistas e personalidades do cenário cultural brasileiro

Para homenagear artistas e personalidades que se destacaram no ramo de suas atividades e que tanto contribuem para o enriquecimento da cultura brasileira, a Academia Niteroiense de Belas Artes e Ciência (ANBA) realizou a cerimônia de entrega da medalha Leonardo da Vinci. Entre os indicados está meu amigo Paulo Roberto Cecchetti, figura incansável na luta pela qualidade da cultura em Niterói.

Quando nos conhecemos, Cecchetti era editor da revista O Cais, de excelente qualidade que produzia na Região Oceânica. Nossa amizade é de longa data. Antes mesmo de me tornar vereador já apreciava seu trabalho. Com o passar do tempo, tornou-se um importante colaborador em minha carreira política. Ceccheti também foi fundador de importantes movimentos culturais que admiro como Escritores ao Ar Livro e a Estante Comunitária.

Como autor, possui 14 livros publicados, dentre eles destaques como Meu gato de nome Mário e Haicas Onamásticos. Suas últimas publicações foram Poética emoldurada e Confraria do Bar Joia, em 2009.

Esteve a frente de memoráveis exposições como Pimentel 90 anos, em março de 2002; e Japão-Brasil 100 anos – Do sol nascente ao calor tropical, em julho de 2008. Este ano realizou a exposição Luis Antonio Pimentel – 100 anos em foco, em comemoração ao centenário do jornalista Luis Antonio Pimentel, que tive oportunidade de prestigiar.

Parabéns aos indicados, especialmente ao meu amigo Cecchetti por mais essa conquista!

Royalties: não se muda as regras no meio do jogo

Essa semana, reacendeu a discussão sobre a divisão dos royalties do petróleo no Congresso Nacional. Na terça (24), o deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), relator da comissão que estuda as possibilidades da partilha na Câmara dos Deputados, apresentou uma versão preliminar que visa aumentar a distribuição dos recursos destinados aos municípios produtores e diminuir o percentual para os estados.

O relatório discutido por Zarattini altera o texto aprovado pelo Senado em outubro do ano passado, reduzindo de 20% para 11% o percentual dos royalties destinados aos estados produtores. Já o percentual dos municípios produtores subiu de 4% para os mesmos 11%. Hoje, os estados e municípios produtores recebem 26,25% dos royalties.

Os deputados que integram a Câmara de Negociação, entretanto, rejeitaram a nova proposta. O deputado Alessandro Molon (PT-RJ), por exemplo, declarou “que não é possível mudar as regras no meio do jogo”.

O deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), compartilha da mesma opinião. E além de expressar descontentamento com o relatório que traz prejuízos ao Rio, questionou a validade do Pacto Federativo, um acordo firmado entre a União e os Estados que define as funções, os direitos e os deveres de cada parte. Picciani classificou a proposta como um “federalismo às avessas”.

A deputada federal Rose de Freitas (PMDB-ES), vice-presidente da Câmara e integrante do grupo, uniu-se ao coro dos deputados fluminenses e também viu prejuízos ao seu estado do Espírito Santo. Alertou sobre a concentração excessiva de recursos para determinados municípios do que para os estados, uma consequência da proposta. Sem consenso, uma nova reunião foi marcada para o dia 8 de maio.

Não é possível mexer nas regras durante o jogo. Esta ação é questionável e poderá ser levada ao Supremo Tribunal Federal caso ocorra. O Estado do Rio de Janeiro vive hoje um processo de crescimento onde os recursos dos royalties são parte fundamental. Há muitos projetos em andamento e contratos assinados que consideram esses recursos. A perda dos royalties será um grande prejuízo para a população fluminense.

Enfim, a aguardada revitalização do Centro Cultural Aldeia do Arcozelo

Um sonho dos habitantes de Paty do Alferes vai, enfim, virar uma realidade. A tão desejada revitalização do Centro Cultural Aldeia do Arcozelo está perto de sair do papel com a assinatura, no último dia 19, do termo de compromisso entre o Ministério da Cultura e o Governo do Estado do Rio de Janeiro. Essa é uma conquista da população fluminense, sobretudo dos patyenses. Desde que conheci o espaço venho defendendo sua preservação. Só quem já foi ao Aldeia pode ter ideia da sua beleza e do seu potencial cultural.

O seu fundador, Paschoal Carlos Magno, foi um grande militante cultural que dedicou sua vida a levar a arte para o interior fluminense. Diretor e crítico de teatro, além de influente dinamizador das artes, Paschoal ganhou a antiga fazenda Freguesia para criar uma escola de teatro. Foi inaugurado, então, em 1965, o Centro Cultural Aldeia do Arcozelo.

No Aldeia, foi erguido o Teatro Renato Vianna, duas galerias de arte, biblioteca, restaurante, bar e hospedaria, destinada aos eventos. Tudo, no entanto, está desaparecendo. Quando, há algumas semanas, o governador Sérgio Cabral anunciou seu interesse em investir na recuperação do espaço, tive a certeza de que o projeto no qual tanto acreditei será concretizado.

Lembro das visitas que realizei ao local. Em uma delas, pude ouvir relatos dos defensores do centro. Foi então que decidi entrar nessa luta. Como disse o Diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte, Antônio Gilberto, “não podemos deixar que se perca esse patrimônio, um ideal de um homem que fez tanto pela cena brasileira”. Por esta conquista, sei que valeu todo empenho e dedicação.

Celebro com o povo de Paty o documento assinado pelo Presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Antonio Grassi, pela Secretária de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, Adriana Rattes, e pelo prefeito de Paty, Rachid Almôr, que inclui ainda a elaboração de um plano diretor para melhor uso do espaço e eventuais novas construções. O termo vigora até 31 de dezembro de 2014.

Parabéns, Paty, pelo sonho realizado!

Parabéns, Aldeia do Arcozelo!

Vi de perto um sistema de ônibus que funciona, e bem

Esta semana embarquei com o governador Sergio Cabral para Medellín, na Colômbia, para conhecermos mais sobre projetos muito interessantes que são desenvolvidos no país e que em muito se assemelham ao que desenvolvemos para o Rio de Janeiro. Entre eles está o BRT (Bus Rapid Transit), desenvolvido inicialmente no Brasil, mas que evoluiu com os colombianos e hoje estamos aprendendo com seus avanços.

Na terça-feira (17), participei de uma reunião com os técnicos da MetroPlus, uma empresa pública que opera o metro, o BRT e os Metro Cables (teleféricos). Momento único e muito útil para ver como, de fato, funciona um sistema de transporte integrado a vários modais. O cidadão pode andar de BRT, metro e teleférico com uma tarifa única de R$ 1,50, cruzando toda a cidade. O teleférico, inclusive é um projeto muito interessante que o Governo do Estado adotou no Complexo do Alemão integrado ao sistema de trens da Supervia. Quem não conhece, deve conhecer!

O sistema BRT agrega um modelo específico de transporte coletivo. São veículos articulados ou biarticulados que trafegam em canaletas ou em vias elevadas. Só para se ter uma ideia, o BRT de Bogotá, por exemplo, transporta 1 milhão de pessoas, diariamente. Essa é a meta que o Governo do Estado espera atingir com a melhoria do sistema de trens do Rio.

O município do Rio saiu na frente. Já possui o sistema BRS (Bus Rapid System), que destina um corredor exclusivo para ônibus, cuja prioridade é a organização do tráfego, gerando mais fluidez no trânsito e mais comodidade para os usuários. Além disso, está construindo a TransOeste e irá implantar os projetos TransBrasil e TransCarioca.

Niterói também terá esse sistema, desenvolvido por Jaime Lerner, mesmo criador do BRT. Para a cidade, ele apresentou um belo projeto de readequação do sistema viário que deve sair do papel com a implantação do BRS na Roberto Silveira e Gavião Peixoto, em Icaraí, que logo deve se expandir para toda a cidade.

Estar em contato com países que vivenciam experiências semelhantes às nossas é muito positivo. Primeiro pela identificação. Depois, porque nos deparamos com os mesmos desafios e buscamos inspiração para superá-los. Continuamos em viagem. Está sendo uma experiência ótima.

Possível nova gestão do Caio Martins reacende a discussão sobre o destino do estádio

Depois de muito se discutir sobre o futuro do Complexo Esportivo Caio Martins, parece que, enfim, o impasse será resolvido. A Universidade Federal Fluminense vem demonstrando interesse pela administração do espaço e, em breve deve apresentar um projeto ao governador Sergio Cabral. A ideia de Roberto Salles, reitor da UFF, é torná-lo referência em esporte em Niterói e no Brasil, além de transformá-lo em um estádio multiuso para sediar grandes eventos esportivos e projetos sociais.

O Caio Martins já serviu de cenário para grandes disputas nacionais das mais diversas modalidades esportivas. No entanto, está há décadas sem passar por obras de modernização e sua estrutura não pode mais ser utilizada para competições profissionais. Hoje, é muito usado por crianças e adolescentes que usufruem, gratuitamente, de aulas de natação, judô, basquete, futebol, vôlei, ginástica estética e olímpica e jazz. A Universidade tem o Projeto UFF Esportes que patrocina alunos, funcionários e atletas. Boa iniciativa para manter e aperfeiçoar essas aulas.

A cessão do Caio Martins para a UFF, na verdade, expande o domínio da instituição na gestão de equipamentos públicos em Niterói. A possibilidade de cessão da Estação da Cantareira, que está sendo avaliada pela Secretaria Estadual da Casa Civil e a recente aquisição do Cinema Icaraí confirmam a aproximação da universidade com a sociedade, cobrada por muitos.

Acredito que será muito bom que a UFF assuma a faça um bom trabalho. É preciso entender que o esporte tem grande importância na sociedade. O estádio precisa voltar à ativa. Seria uma grande alegria vê-lo funcionando novamente e com qualidade. E você? Qual a sua opinião sobre esse projeto?

Em preparação para o Rio+20, uma série de encontros define temas para a Conferência

Enquanto o Rio de Janeiro se prepara para sediar o Fórum Ambiental Rio+20, que acontece entre os dias 12 e 22 de junho, uma série de encontros estão sendo realizados em preparação ao fórum internacional. Esta semana a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, debateram sobre a questão da governança ambiental. Esta, aliás, é uma das prerrogatórias da Conferência, que dividirá espaço com outras discussões.

O Pnuma desenvolve uma série de ações a fim de gerar a conscientização do desenvolvimento sustentável nas ações políticas. Já foram realizados diversos encontros e conferências para determinar o curso das ações sobre a degradação ambiental e o uso insustentável dos recursos naturais.

No entanto, não podemos estar presos somente a debates teóricos. É fundamental buscar metas concretas para que a Rio+20 não fracasse em seu objetivo. Não basta apenas reafirmar aquilo que já foi acordado em outros encontros. Não basta propor ações. É preciso o nosso entendimento e a nossa colaboração no uso responsável desses recursos, priorizando a qualidade de vida.

A Conferência Rio+20, organizada pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES/PR), além de mobilizar a população a respeito dessas ações, pretende unir empresas e ONGS para um espaço de debates, palestras e outras atividades. No próximo dia 26, está marcado um novo encontro para discutir novos temas que poderão ser abordados.

Pesquisa comprova que o brasileiro lê pouco

O brasileiro sabe da importância da leitura, mas continua considerando a atividade desinteressante. Esse é o resultado da pesquisa divulgada recentemente pelo Instituto Pró-Livro que aponta apenas metade da população como leitora. O estudo foi realizado entre junho e julho do ano passado, com cinco mil entrevistados em 315 municípios. A média de leitura por pessoa é de quatro livros por ano.

Pelo levantamento, essa parcela representa 88,2 milhões de pessoas. Entre os participantes, 64% concordam que a leitura “pode fazer uma pessoa vencer na vida e melhorar sua situação econômica”. 30% disseram que não gostam de ler, 37% gostam um pouco e apenas 25% gostam muito. Entre os não leitores, a principal justificativa é a “falta de tempo”, apontada por 53% dos entrevistados.

O estudo também demonstra que o hábito da leitura está relacionado com a frequência à escola. Escolas e bibliotecas, apontadas como um local desinteressante pelos entrevistados, precisam de ambientes modernizados e acervos atualizados. Bons exemplos são as reformas de algumas das bibliotecas da nossa rede pública de ensino e a modernização da Biblioteca Estadual de Niterói. Ambientes mais organizados e livros novos contribuem para o acesso à informação e o incentivo à leitura.

Não acredito no discurso de que o brasileiro não gosta de ler. A falta do hábito de leitura no país é cultural. O brasileiro associa a leitura à obrigação e não ao prazer. A questão é que não temos a leitura como valor social.

Nas últimas décadas houve um incremento grande de programas voltados para o estímulo da leitura, mas as iniciativas ainda não tiveram o efeito esperado. Há várias iniciativas de vários setores da sociedade, mas mesmo assim é pouco. Essas ações precisam ser mais articuladas.

Ler é essencial e sempre será a melhor forma de aprendizado.

Bicicleta de material reciclado é nova aliada do transporte sustentável

Que tal uma armação de bicicleta produzida a partir de plástico de garrafas PET, embalagens de shampoo e peças de geladeira? Com algum investimento e imaginação, a primeira bike reciclável do mundo é invenção do artista plástico uruguaio Juan Muzzi, radicado no Brasil, que passou 12 anos estudando a fabricação do modelo. O resultado é um produto mais resistente, flexível, barato e sustentável para o meio ambiente.

Para realização do projeto, Muzzi conta com apoio de algumas ONGs que recolhem a sucata e vendem para uma empresa que granula o papel. Esses grãos são vendidos para a empresa de moldes que ele administra. No processo de produção, o plástico granulado entra em uma máquina e é injetado no molde de aço. Cada quadro demora cerca de três minutos para ser fabricado e, se for só de PET, 200 garrafas são usadas. Há um ano e meio o molde final ficou pronto. Em novembro serão distribuídos os primeiros exemplares.

O uso da bike sempre esteve aliado a um modo de vida mais prático, saudável e sustentável. Muito se fala sobre a ineficiência da bicicleta como veículo. E há quem desqualifique a proposta do transporte sustentável. Mas eu acredito em uma alternativa sustentável para o trânsito onde a bicicleta tenha seu lugar respeitado, juntamente com os veículos de transporte em massa.

Países como Estados Unidos, Alemanha, México e Paraguai aderiram a ideia da bike e já demonstram interesse em encomendar o modelo. No Brasil, 2.500 encomendas já foram confirmadas. Em 2013, Juan pretende lançar a versão infantil e também cadeira de rodas, que será doada para quem levar o material.

Um projeto semelhante é o do israelense Dror Peleg. Ele usa a tecnologia de moldagem por injeção plástica. A produção tem baixíssimo custo, mas ainda não está à venda. A FRII, como deverá ser chamada, está sendo projetada para uso urbano diário.

A importância dos jovens no processo eleitoral

Em outubro, teremos eleição para prefeito, vice-prefeito e vereadores. Momento oportuno para o cidadão participar da política de sua cidade. Mais que um direito, o voto é um dever. Dever de exercer a cidadania. Tivemos conquistas, como a aprovação da Lei da Ficha Limpa, que já ampliam as condições para que as pessoas voltem a acreditar na política.

Há, no entanto, um certo desencanto dos jovens pela política até em função do que está sendo apresentado com tantos casos de corrupção. Se por um lado há o descrédito nos políticos, por outro existe a certeza do quanto esse voto pode fazer a diferença nas urnas. Os jovens precisam acreditar que podem mudar a política e escolher o futuro do nosso país. Se todos se conscientizarem que só participando intensamente conseguirão mudar este estigma, a esperança irá prevalecer.

Você jovem tem até o dia 9 de maio para tirar o título pela primeira vez, fazer a transferência do domicílio eleitoral ou atualizar o cadastro. Basta comparecer ao cartório eleitoral com um documento de identidade com foto e comprovante de residência. Não deixe para a última hora!

Saiba melhor como funciona o processo eleitoral por meio da Cartilha do Jovem Eleitor, excelente iniciativa elaborada pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo.