Policiamento Ambiental na Serra da Tiririca

Até o fim de janeiro, deve ser inaugurada no Parque Estadual da Serra da Tiririca, a Unidade de Polícia Ambiental (UPAm). O novo patrulhamento ambiental funcionará 24 horas e contará, de início, com 22 policiais para cobrir a área de Niterói e Maricá.

A base operacional terá alojamento, rancho e um telefone para denúncias, e as principais ações serão, por exemplo, de combater o desmatamento, a exploração ilegal de areias, invasões, queimadas e o tráfico de animais silvestres.

O parque protege áreas de Mata Atlântica, restinga, costões rochosos, mangue e banhados. Devido a essa vasta biodiversidade, desde 1992, a área é considerada pela Organização das Nações Unidas (UNESCO) como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

Proteger esse espaço vai além de manter a flora e a fauna que a compõe. O Parque Estadual da Serra da Tiririca é muito querido pelos cidadãos de Niterói e Maricá e a organização da estrutura do parque é fundamental para oferecer boas condições para a prática do ecoturismo na região, facilitar o trabalho de fiscalização e ajudar na preservação ambiental da área.

Metas para 2013

Esta semana vivi um momento muito importante. Na terça (04), retomei a Secretaria de Desenvolvimento Regional. Volto com garra e disposição. Estou pronto para dar continuidade aos projetos iniciados durante o período da campanha eleitoral, quando concorri à prefeitura da cidade. E já definimos as metas para 2013.

Este ano desenvolvi o projeto de urbanização da colônia pesqueira do Canto de Itaipu e da drenagem de dez sub-bacias da Região Oceânica de Niterói. Ano que vem, os projetos iniciados vão ganhar desdobramentos, como a Cidade da Pesca, o Programa de Urbanização de Comunidades Pesqueiras e o de Apoio à Infraestrutura das Cidades.

Vamos levar urbanização às comunidades de pesca de Jurujuba, em Niterói, e do Gradim, em São Gonçalo. Na Ceasa, vamos dar sequência e implementar novas ações para aprimorar o trabalho da Centrais de Abastecimento. Além de acompanhar, passo a passo, os avanços do Comperj no Estado.

Certamente 2013 será um ano de muito trabalho. Vamos continuar com grandes conquistas para Niterói.

O Brasil se despede de Oscar Niemeyer

Ontem, recebi com muito pesar a notícia do falecimento de Oscar Niemeyer. Grande ícone brasileiro, arquiteto inovador, comunista convicto, além de pessoa sensível, sábia e jovem apesar de mais de um século de vida.

Com traços livres e rápidos, Oscar Niemeyer criou um novo movimento na arquitetura. Seu maior diferencial foram as curvas. E para chegar a este resultado tornou-se adepto do concreto armado que lhe permitia formatar os prédios. Para ele, a arquitetura também era uma arte e as edificações deveriam compor com a paisagem.

Depois de Brasília, Niterói é a segunda cidade do mundo com a maior quantidade de obras projetadas pelo arquiteto. Além da Fundação Oscar Niemeyer, temos os prédios do Memorial Roberto Silveira, o Teatro Popular, a Praça JK, a Estação de Catamarãs, no Charitas, e o MAC, símbolo que destacou Niterói para o mundo e figura entre os seus projetos mais conhecidos. Agradeço o carinho que teve por nossa cidade e as obras dedicadas à nossa população.

No ano do centenário do arquiteto, em 2007, conseguimos aprovar a lei que tomba o MAC e preserva o patrimônio arquitetônico e cultural do museu. Em 2010, tive a oportunidade de estar ao lado de Niemeyer quando inauguramos a Fundação que recebe seu nome. Foi um momento muito especial e importante para nossa cidade. Em 2011, aos 104 anos, Niemeyer tornou-se patrono do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ).

Morre com ele uma pequena parte da história recente do Brasil. Mas seu legado será eterno. Inspiração para muitas gerações. Vá em paz!

Está em andamento o processo de retirada das embarcações da Baía de Guanabara

Em novembro, o Ministério da Pesca e Aquicultura, em parceria com a Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), o Instituto estadual do Ambiente e a Capitania dos Portos iniciou a operação de retirada das 57 embarcações abandonadas na Baía de Guanabara, em direção ao Porto de Niterói.

Essas embarcações formam um conjunto de problemas para a região. Elas atrapalham a navegabilidade, poluem o meio ambiente e representam um péssimo cartão de visitas para a cidade. Algumas unidades, inclusive, já se tornaram verdadeiras carcaças.

Em 2011, visitei o local com o objetivo de vistoriar a área onde é preciso realizar a dragagem para garantir o acesso das embarcações ao Centro Integrado de Pesca Artesanal, e observei vários barcos e navios largados, em processo de deterioração. Percebemos logo que não havia como dar segmento ao projeto da dragagem sem antes retirar essa sucata do mar.

Assim, fizemos um levantamento de todos os barcos, fotografamos, marcamos sua localização e entregamos um relatório sobre a situação à Capitania dos Portos. A Capitania, por sua vez, notificou os proprietários para que eles retirassem as embarcações, caso contrário, elas seriam removidas de forma compulsória.

Agora, o processo de retirada das carcaças submersas deve terminar em abril do ano que vem. Nesse período, será aberto processo licitatório para a escolha da empresa que realizará as obras de dragagem do canal, permitindo a navegação em direção ao Centro Integrado de Pesca Artesanal (Cipar), que não está funcionando já que as embarcações abandonadas impedem os barcos de navegar e atracar em seu cais.

A retirada desse material da Baía de Guanabara será um ganho para a população de Niterói principalmente, para a dinamização das atividades do Porto e, por consequência, sua aparência.

UFF lança concurso de ideias para restaurar o Cinema Icaraí

Um dos primeiros passos para a restauração do Cinema Icaraí começou a ser dado. Ontem, a Universidade Federal Fluminense lançou o edital do concurso de ideias para a revitalização do espaço. Estudantes de arquitetura e urbanismo irão desenvolver projetos e a proposta vencedora será usada como contribuição ao projeto final da obra.

Enquanto vereador, fui o único a ir contra o projeto de lei que previa o destombamento parcial do prédio e somente com a intervenção do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), em 2008, do qual fui forte apoiador, que conseguimos garantir o tombamento.

Em dezembro do ano passado, o edifício foi entregue à UFF depois de uma negociação entre a Prefeitura e o reitor da universidade, Roberto Salles, que conseguiu a verba da desapropriação junto ao MEC.

Fico imensamente feliz ao falar sobre o futuro no nosso Cinema Icaraí, símbolo da história da nossa cidade. A luta dos defensores pela manutenção do cinema e pela manutenção da sua arquitetura é antiga. Tenho certeza que valeu a pena toda a mobilização a favor da preservação do prédio. O Cinema Icaraí é nosso!