O sucesso de mais um Festival Gastronomia do Mar

Neste domingo (29) encerramos mais uma edição do Festival Gastronomia do Mar. Ao longo desses nove dias, foram 70 restaurantes que participaram do circuito com renomados chefs preparando pratos especiais e exclusivos. Esse ano a grande novidade é que levamos o festival para Copacabana.

Fico feliz com a boa aceitação do Festival em Niterói. O projeto nasceu aqui, na cidade, pela sua vocação histórica e natural, e tem o objetivo de informar sobre a importância do peixe na refeição do dia a dia e cultivar a cultura do consumo do pescado no Estado.

Niterói está se tornando um importante polo gastronômico no Estado ao mesmo tempo em que mostra que a pesca na cidade se destaca como fator relevante para muitas famílias que vivem dessa atividade.

Quero agradecer a todos que deram seu máximo para tornar possível a 3ª edição do Festival Gastronomia do Mar. Entre eles, integrantes da Fiperj e da Secretaria de Desenvolvimento Regional. Aos nossos patrocinadores Kolore Comunicação Visual e Casa Valduga, à C Comunicação pela logística da produção e organização, e o apoio da Prefeitura de Niterói.

Um agradecimento aos chefs Joachim Koerper, Bruno Marasco, Zela Brum, Roland Villard, Frederic Monnier, Silvia Paludo, Adrianne Balassiano, Ricardo Lapeyre, Alexandre Henriques e Federico Tagliabue. À sommelière Deise Novakoshi, ao enólogo João Valduga e o mixologista Bruno Simões.

Por fim, o meu muito obrigado especial a todos que prestigiaram o Festival Gastronomia do Mar. Vocês são os maiores beneficiados pelo consumo dos frutos do mar. Os responsáveis por mais este sucesso!

Cidades Inteligentes em debate

Nos dias 17, 18 e 19 de setembro, foi realizada a Rio Info 2013, que é atualmente o maior evento do país dedicado à Tecnologia da Informação (TI), com o objetivo de analisar as principais tendências do mercado, realizar negócios e atividades práticas como oficinas de temas relevantes, por exemplo.

A edição desse ano, que discutiu as “Cidades Inteligentes” através de uma série de debates de interesse comum da população na área da tecnologia da informação, reuniu mais de 120 palestrantes e mais de 2 mil inscritos para promover a troca de experiências e fomentar a realização de novos negócios no setor.

A importância de políticas de incentivo à tecnologia e à produtividade nacional, o marco civil da Internet e a segurança de dados foram temas que marcaram o evento do ponto de vista político. Algumas discussões, como as que envolveram o e-commerce, as experiências de internacionalização, o governo eletrônico e as cidades inteligentes também atraíram os participantes.

O Brasil vive um momento estratégico e positivo no setor de TI. Em 2012, o país investiu mais de US$ 60 bilhões e está na sétima posição entre os países que mais investem em TI no mundo. O objetivo é torná-lo independente na questão da Tecnologia da Informação.

A Rio Info 2013 trouxe para discussão temas de importância, relevância e de interesse nacional a fim de integrar as cidades e prover as informações e conhecimentos para a população. O encontro terminou com a expectativa de geração de negócios em mais de R$ 27 milhões no prazo de 1 ano.

Museu do Trem apresenta a exposição “O Rio Grande na era dos trens”

Está em cartaz, até o dia 29 de novembro, no Museu do Trem, a exposição “O Rio Grande na era dos trens” com registros dos fotógrafos José Abraham e Alfonson Abraham, pai e filho.

Durante os anos de 1950 a 1980, a dupla acompanhou a trajetória das máquinas que levaram o progresso ao Rio Grande do Sul, desde as oficinas que produziam as peças de reposição até a última Maria Fumaça que rodou os trilhos entre as cidades de Bagé e Rio Grande.

Recomendo a todos que visitem o Museu do Trem e confiram a exposição. É uma interessante viagem no tempo, que remete a uma época em que o trem era o principal meio de transporte tanto de cargas como de passageiros.

Fundado em 1984 e fechado desde 2007, quando o prédio foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Museu do Trem reabriu suas portas esse ano e merece ser visitado pelos cariocas.

Este é o único museu dedicado ao trem no Estado do Rio de Janeiro e o único espaço cultural do bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte. Desde julho do ano passado essa reabertura vinha sendo muito reivindicada por antigos funcionários da Rede Ferroviária Federal (RFFSA) e por todos aqueles interessados na memória do transporte ferroviário.

O Museu do Trem fica na Rua Arquias Cordeiro, 1046, no Engenho de Dentro. A visitação acontece de segunda a sexta, das 10h às 16h, com entrada franca. Vamos prestigiar!

A inauguração da 81ª DP de Itaipu é um grande ganho para os moradores da Região Oceânica

A inauguração da 81ª DP de Itaipu, agora Delegacia Legal, foi um sucesso! Depois de anos de espera, hoje foi dado um importante passo para o fortalecimento da segurança de Niterói. Quem acompanha minha trajetória sabe o quanto luto por melhores condições na área da segurança em nossa cidade.

Quando fui vereador e presidente da Comissão de Segurança da Câmara Municipal, em 2005, lutei para incluir a 81ª DP no Programa Delegacia Legal. E nas inúmeras reuniões que tive com as autoridades do setor, essa demanda sempre esteve em pauta.

Como secretário de Estado, não foi diferente. Em 2012, estive na Secretaria Regional de Piratininga, onde a 81ª DP estava instalada, provisoriamente, e me coloquei a disposição para ajudar no que fosse possível, principalmente, nesse período em que a unidade contava com uma sede provisória.

A obra na sede atual da 81ª DP e sua transformação em Delegacia Legal é um ganho enorme para os moradores da Região Oceânica que terão um atendimento ágil e eficaz, além uma força a mais no combate à violência em Niterói.

Posso dizer, com orgulho, que a inauguração da 81ª DP é um sonho realizado. Sei que ainda há muito a ser feito pela segurança de Niterói, que carece de mais atenção.Com a chegada do coronel Paulo Henrique e do coronel Pacheco nas chefias do Estado Maior, espero que a Polícia Militar dê um basta aos atos de violência que sofremos. Estamos no caminho certo.

Nova Delegacia Legal para mais segurança na Região Oceânica

Amanhã será inaugurada a nova Delegacia Legal de Itaipu, a 81ª DP, com a presença do governador Sergio Cabral. Um sonho realizado para os moradores da Região Oceânica e para todos que anseiam por mais segurança em nossa cidade.

A segurança, inclusive, sempre foi uma das minhas prioridades. Como morador de Niterói, fico preocupado com a situação que a cidade passa. Desde 2005, quando presidi a Comissão de Segurança na Câmara, luto pela causa e apresentei o Projeto de Lei 164/2005 que, dentre outras proposições, solicitava a implementação do Programa Delegacia Legal na 81ª DP.

Desde novembro do ano passado, a unidade passou a funcionar no prédio da Secretaria Regional de Piratininga, de forma improvisada, quando o prédio antigo foi demolido para que pudesse ser construído o novo imóvel.

Foram usadas técnicas modernas de construção civil, substituindo as vigas de concreto armado por estruturas metálicas, também uma laje tipo steel-deck, que são lâminas de aço tratadas com materiais químicos para evitar a corrosão.

A nova Delegacia Legal terá computadores conectados à central de dados da Polícia Civil e todos os aparatos digitais indispensáveis, além do setor de investigação, salas de escuta, salas de custódia e adaptações para portadores de deficiência.

Essa construção de agora tem 400m², vai atender todos os moradores da Região Oceânica. Através de financiamentos com o BNDES e o Banco do Brasil, o Governo do Estado está investindo alto no Programa Delegacia Legal. Em Niterói, a obra está orçada em R$ 1,7 milhão.

Brasil tem seu primeiro relatório sobre o clima

Tão logo o Brasil vai ganhar o primeiro relatório completo que avalia o impacto de mudanças climáticas associadas à ação humana. Existe um estudo, desde 1988, avaliado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), ligado ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), que trata do tema.

Há quatro anos essa análise passou a ser vista também pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), criado pelos ministérios da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente. E, ontem, foi lançado o primeiro volume desse relatório, que compreende ainda outras edições que devem ser lançadas em outubro e novembro.

O relatório do PBMC traça um caminho já percorrido por pesquisas climáticas no país e tenta orientar, não só as políticas públicas, como os estudiosos e a sociedade civil. O foco desse grande projeto é alertar e conscientizar sobre como é urgente a mudança no padrão de consumo para que menos desastres ambientais aconteçam.

E uma das preocupações dos idealizadores desse relatório é com o papel das cidades brasileiras nesse processo. A cada dia surgem novas evidências de que as mudanças climáticas associadas à ação humana estão em curso. Por isso a relevância de se discutir o assunto em conjunto.

Nos mesmos moldes do IPCC, a próxima publicação do PBMC deverá sair daqui a três anos, já que a maioria dos estudos científicos incluídos no relatório foi elaborada a partir de 2007. Propor ações é uma iniciativa importante, mas não suficiente. É preciso o nosso entendimento e a nossa colaboração no uso responsável dos recursos naturais que temos.

O desafio da escola é formar mais que bons alunos

Uma entrevista da filósofa e professora Viviane Mosé ao jornal O Globo de hoje trouxe uma importante reflexão sobre os moldes da educação no Brasil. Em seu livro “A escola e os desafios contemporâneos”, a autora defende que é preciso priorizar um sistema de ensino que não forme apenas bons alunos, mas, que prepare vencedores.

Para que isso seja possível é fundamental, em primeiro lugar, que tenhamos educação de qualidade para nossas crianças e jovens, uma educação que pode ir muito além da metodologia aplicada rotineiramente em sala de aula. Nesse contexto, julgo importante trazer novamente para discussão um tema recorrente no meu blog: a educação integral nas escolas.

Não basta apenas que os professores transmitam o conteúdo. É preciso saber estimular os alunos. E assumir o projeto de educação integral nas escolas é dar oportunidade a esses estudantes para que tenham um melhor convívio social. Que tenham acesso ao esporte, à arte e às atividades culturais, desenvolvendo o potencial de cada um e contribuindo para sua formação.

Marco na história educacional, o CIEP é a melhor que referência que temos quando falamos em educação em tempo integral. O modelo de escola que surgiu durante o governo de Leonel Brizola tinha o objetivo de garantir o direito de acesso a uma educação plena, como fator primordial de desenvolvimento e afirmação social.

Não faz muito tempo, fomos contemplados com o projeto aprovado na Câmara que destina parte dos royalties para a Educação. Um investimento que trará benefícios para o desenvolvimento das Políticas Nacionais de Fortalecimento da Educação, que é um dos problemas sociais de maior destaque no país.

Há uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 32/2013), do senador Cristovam Buarque, que aguarda um relator para ser votada no Senado. Trata da universalização da educação básica de qualidade. Ou seja, garantir que todos tenham as mesmas oportunidades educacionais e que a educação básica pública, em suas etapas e modalidades, tenha padrão uniforme.

A escola, como base de formação, deve priorizar a avaliação e o fortalecimento das habilidades e competências de cada aluno. Incentivar seus alunos a descobrir seus próprios talentos. Só a educação é capaz de fazer com que todos os cidadãos tenham o preparo necessário para que possam alcançar melhores condições de uma vida digna.

Natan Donadon: o resultado que agrediu a democracia e trouxe de volta a discussão pelo fim do voto secreto

Esta semana tivemos, na Câmara dos Deputados, a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 349, que acaba com o voto secreto de todas as votações no Congresso Nacional e nos legislativos estaduais e municipais, incluindo votações conjuntas.

A decisão de colocar em pauta a PEC, em sessão extraordinária, realizada na terça (3), foi motivada pela sessão anterior que manteve o mandato do deputado Natan Donadon, condenado por peculato e formação de quadrilha.

Foi, então, que os deputados ressuscitaram a PEC de 2001, referendada em 2006, que só precisava da votação em segundo turno para seguir para o Senado. Se aprovada, depois de promulgada na Câmara e no Senado, a determinação passa a valer em todas as votações.

O voto secreto passou a ser o ponto central da agenda do Congresso. Há um outra proposta, a PEC 196, ainda em análise por uma comissão especial, que prevê a suspensão do sigilo apenas para votação de perda de mandato. Mas, pela demora na tramitação, prevaleceu a opção pela PEC 349, a PEC do Voto Aberto.

E esta foi a decisão mais correta. O voto aberto é fundamental para evitar que outros absurdos, como a mantença do deputado Donadon, aconteçam. Um resultado que feriu a democracia e desrespeitou a opinião pública.

Investimentos para a Linha 3 do Metrô

A Presidenta virá ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, no próximo dia 11, para oficializar a liberação da verba para a implantação da Linha 3 do Metrô.

Serão investidos R$ 2,7 bilhões na infraestrutura que ligará Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, em 14 estações, ao longo de 22 km, sendo 17,7 km por viadutos e os 4,3 km restantes em superfície. A estimativa é que sejam transportadas, em média, cerca de 700 mil pessoas por dia.

Com a Linha 3 continuaremos a receber o fluxo daqueles que se dirigem ao Rio, mas de forma mais organizada e com menos impacto no trânsito do Centro de Niterói. Será o maior projeto de integração do país e o primeiro a incluir um terminal aquaviário, por onde circularão aproximadamente 600 mil passageiros/dia.

Desde o meu primeiro mandato de vereador, em 2001, quando já defendia a questão da mobilidade urbana sustentável e o transporte público como prioridades, acompanho o desdobramento desse projeto. Nessa mesma época presidi a Comissão Especial que discutiu e fez importantes mudanças no projeto como a manutenção do trecho Arariboia X Carioca, por exemplo.

Estou confiante que, agora, a obra irá definitivamente sair do papel.

Novo avanço no projeto Cidade da Pesca

Ontem me reuni novamente com o prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulin, para falarmos sobre os avanços no projeto Cidade da Pesca, proposta da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, que pretende impulsionar a atividade pesqueira no Estado.

Junto com a equipe da Secretaria de Meio Ambiente do município, revimos todo o estudo da Ilha de Itaoca, em São Gonçalo, onde pretendemos instalar um Terminal Público Pesqueiro e um Condomínio Industrial ligado à pesca. São 8,5 km² e o empreendimento vai ocupar uma área de 800 mil m².

Depois de conversar com o governador Sergio Cabral conseguimos, agora, a autorização do processo de desapropriação dessa área para que, futuramente, possam funcionar ali as cooperativas e as indústrias de processamento de pescado.

E inúmeras empresas já demonstraram interesse em investir no local. Até abril está previsto para já termos todos os terrenos desapropriados e o projeto já devidamente consolidado. A nossa intenção é fazer, deste, um lugar privilegiado para o pescador.

A Cidade da Pesca vai viabilizar cerca de 10 mil empregos na região. Nosso empenho em tirar esse projeto do papel é certo. O litoral do Rio de Janeiro tem um grande potencial produtivo e precisamos investir na reativação econômica da pesca no Estado.