Eu apoio a campanha que repudia a morte de policiais

Está circulando nas redes sociais desde semana passada, uma campanha que pede o fim da violência aos policiais, organizada pela amiga e jornalista Roberta Trindade. A ação já conta com milhares de imagens compartilhadas na sua página no facebook com a seguinte mensagem: “Eu repudio a morte de policiais. Força e Honra. #Basta”.

Eu não poderia deixar de manifestar meu apoio e solidariedade a esta campanha que apoia a proposta de transformar em crime hediondo o crime contra servidores da segurança pública. A manifestação foi criada como resposta aos crimes que vitimaram PMs nos últimos dias e já conta com apoio da Organização da Nações Unidas (ONU).

Assinem e divulguem, em seus perfis nas redes sociais a petição pública no intuito de pressionar o Congresso Nacional pela aprovação de projeto de lei para que “sejam considerados hediondos os crimes cometidos contra as vidas de servidores da segurança pública, tanto no exercício de suas funções como em razão de suas atividades, ou, ainda, contra seus familiares por consequência do grau de parentesco com o servidor.”

Aproveito pra convidar a todos para o ato contra a violência aos policiais, no domingo, dia 14 de dezembro, no Posto 6, na Praia de Copacabana. A concentração está marcada para 9h. Milhares de pessoas já confirmaram presença por meio das redes sociais. Conto com a participação de vocês!

Niterói terá sua ‘casa do futuro’

Fruto da parceria entre a Ampla, a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a Prefeitura de Niterói e a Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ), Niterói terá sua primeira ‘casa do futuro’, parte do projeto NO.V.A. (Nós Vivemos o Amanhã), que tem o objetivo de pensar o futuro conectado aos princípios da sustentabilidade.

A casa, que será construída num terreno ao lado da Concha Acústica, no centro, será um projeto de moradia, utilizado pela Ampla para estudos de eficiência energética, além de funcionar como um laboratório de comportamento, testando novas experiências de consumo e convivência. E na última quinta (27), a Ampla lançou o site Nós Vivemos o Amanhã, uma espécie de plataforma virtual.

Pelo portal, qualquer pessoa poderá sugerir ideias para a casa, como formas de renovação de energia ou consumo mais eficiente, por exemplo. Assim como mobilidade urbana, combustíveis menos poluentes, economia colaborativa, arquitetura verde, saúde e bem-estar.

Com investimento estimado em R$ 5 milhões – financiados por meio do programa de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica – a casa do futuro tem previsão para ser construída até 2016. Uma boa ideia para pensarmos o futuro da nossa cidade de forma inteligente.

Contra o roubo das nossas queridas bikes

É uma sensação horrível e desoladora não encontrar a bicicleta onde foi deixada. Pior ainda quando sua magrela é arrancada de você por um ladrão. E quanto mais cresce o mercado de usuários de bikes, mais elas passam a ser alvo constante dos ladrões.

Foi pensando em reverter esse quadro que a Comissão de Segurança no Ciclismo do Rio de Janeiro (a CSCRJ) sugeriu e o Instituto de Segurança Pública (o ISP) vai estudar a possibilidade de mapear as estatísticas de roubo e furto das bicicletas.

Isso vai permitir que o órgão possa realizar análises, projetos e consultorias periódicas, trabalhando para auxiliar o desenvolvimento de políticas públicas contra esse tipo de crime classificado como roubo a transeunte, o que dificulta o conhecimento dos números e dos locais onde o roubo e o furto de bicicletas são mais frequentes no Estado.

O presidente da CSCRJ, Raphael Pazos, explica que além do aumento da circulação de bikes, dois aspectos contribuem para aumentar esse tipo de roubo: a revenda de bicicletas caras roubadas e o uso de bicicletas baratas por assaltantes.

Existe o ladrão que rouba qualquer bicicleta e aquele que faz parte de quadrilhas especializadas em bikes caras. Todas têm número de série e por isso muitas são vendidas para estados diferentes da sua origem de compra e outras vendidas até mesmo para o exterior.

Uma vantagem é fazer o seguro da sua bike. O aumento no número de roubos à bicicletas fez disparar o mercado de seguros para duas rodas. Mais de 70% desde 2008. E ainda sem as estatísticas oficiais, os ciclistas criaram uma forma própria de computar as ocorrências.

É o Cadastro Nacional de Bicicletas Roubadas. No site, a vítima registra o fato, posta fotos da sua magrela e descreve a abordagem. As informações ficam disponíveis na rede e são encaminhadas para as bicicletarias. Tem surtido efeito.

A solução, por enquanto, é ficarmos atentos às nossas bicicletas e dificultar a ação dos ladrões. Torcer para logo sermos assegurados por políticas públicas que garantam a nossa segurança, enquanto ciclistas. É um direito de todos. Deixar de pedalar? Jamais!

Cidades Inteligentes em debate

Nos dias 17, 18 e 19 de setembro, foi realizada a Rio Info 2013, que é atualmente o maior evento do país dedicado à Tecnologia da Informação (TI), com o objetivo de analisar as principais tendências do mercado, realizar negócios e atividades práticas como oficinas de temas relevantes, por exemplo.

A edição desse ano, que discutiu as “Cidades Inteligentes” através de uma série de debates de interesse comum da população na área da tecnologia da informação, reuniu mais de 120 palestrantes e mais de 2 mil inscritos para promover a troca de experiências e fomentar a realização de novos negócios no setor.

A importância de políticas de incentivo à tecnologia e à produtividade nacional, o marco civil da Internet e a segurança de dados foram temas que marcaram o evento do ponto de vista político. Algumas discussões, como as que envolveram o e-commerce, as experiências de internacionalização, o governo eletrônico e as cidades inteligentes também atraíram os participantes.

O Brasil vive um momento estratégico e positivo no setor de TI. Em 2012, o país investiu mais de US$ 60 bilhões e está na sétima posição entre os países que mais investem em TI no mundo. O objetivo é torná-lo independente na questão da Tecnologia da Informação.

A Rio Info 2013 trouxe para discussão temas de importância, relevância e de interesse nacional a fim de integrar as cidades e prover as informações e conhecimentos para a população. O encontro terminou com a expectativa de geração de negócios em mais de R$ 27 milhões no prazo de 1 ano.

O Projeto Eleições Limpas

Elaborado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), o mesmo que idealizou a Lei da Ficha Limpa, o Projeto Eleições Limpas está ganhando cada vez mais força nas redes sociais. Até a primeira semana de julho, foram recolhidas mais de 50 mil assinaturas virtuais, sem contar as que foram recolhidas em papel.

O objetivo maior do projeto é apresentar no menor prazo possível uma proposta de reforma política, que há 20 anos é discutida, mas nunca se conseguiu chegar a um denominador comum. Se para os representantes do povo é tão complexo consensualizar sobre o assunto, porque não garantir à sociedade civil o direito de definir como quer escolher seus representantes? Essa mesma reflexão fiz num artigo recente, sobre a prerrogativa da participação popular na política.

Essa iniciativa do “Eleições Limpas” vem paralela a outras duas: a Comissão da Câmara para elaborar uma proposta de reforma e leva-la a referendo; e a ação conjunta de três partidos (PDT/PT/PCdoB) a favor de um plebiscito que direcione a reforma.

Para implementar o projeto não é necessário mexer na Constituição. A aprovação é por lei. Mas é preciso fazer uma ressalva: ainda que o MCCE e a OAB sejam duas organizações que contribuem sobremaneira para o aperfeiçoamento da democracia brasileira, a obtenção de 1,6 milhão de assinaturas, número preciso para viabilizar um projeto de iniciativa popular no Legislativo, não autoriza ninguém a falar em nome da população.

Até porque trata-se da mesma população que cobrou nas ruas, nos cartazes, a oportunidade de falar por si mesma. Moralizar a vida política do país é uma das questões mais importantes que precisamos fazer. Este é mais um passo na direção da democracia que nós sonhamos. Mas quem precisa definir qual o melhor sistema de escolha dos seus representantes é o povo, da maneira que ele reconheça como mais justa. Em plebiscito.

Eleição biométrica em Niterói

Começa a partir do dia 29, o recadastramento das digitais para o primeiro teste das eleições biométricas em Niterói, que já valem para o ano que vem. A medida é uma determinação da ministra presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia, e deve ser implantada em todo o território nacional até 2016.

O leitor biométrico é um aparelho que reconhece a impressão digital da pessoa. Nas urnas, esse sistema vai substituir o título de eleitor. Quem não adotar o novo sistema, segundo o TSE, não poderá votar em 2014 e terá o título automaticamente cancelado.

Votar é um exercício de cidadania e, por isso, é importante ficarmos atentos ao prazo, que se encerra no dia 31 de outubro. Foram escolhidos dois locais para o recadastro: o ginásio do Caio do Caio Martins, em Icaraí, de segunda à sexta, das 9h às 17h, e o Fórum da Região Oceânica, em Pendotiba, das 11h às 18h.

O eleitor precisa levar documento de identidade, comprovante de residência, o título e o CPF.

Com perfil do Facebook no limite, “curta” a minha página de trabalho.

 

Esta semana meu perfil do Facebook atingiu a marca de 5 mil amigos. Agradeço a todos que se interessam pelo meu trabalho e me adicionaram. Muitos participam ativamente colaborando com suas opiniões. Contudo este é o número limite que o site comporta, sendo impossível adicionar mais pessoas.

Para quem deseja receber informações sobre minha atuação política, a alternativa é “curtir” a minha página. O endereço é http://www.facebook.com/felipepeixotopdt. Ela está vinculada ao próprio Facebook e é atualizada com as mesmas informações do perfil. Por ser uma página comum, ela pode ser acessada por qualquer pessoa, ainda que esta não seja participante do grupo de relacionamento.

Como faço para “Curtir” a página Felipe Peixoto?

Você pode encontrar a Página através do navegador de buscas do Facebook, digitando o nome Felipe Peixoto. Logo o acesso à página aparecerá junto com outros links relativos ao nome.

O link da página também está disponível em Informações no meu perfil.

Outra opção é inserir o endereço http://www.facebook.com/felipepeixotopdt em seu navegador de busca da internet.

Ao visualizar a Página, clique em “Curtir” ao lado do meu nome.

Internet como vanguarda da eleição

O novo nesta eleição brasileira tem um nome: internet. Apesar dos 10 anos viajando no imaginário coletivo com ferramentas como Orkut, Facebook e Twitter, atravessando fronteiras em todo o mundo, a nossa comunicação virtual ainda é contida diante do debate político. A exploração da potencialidade da rede permanece, entre nós, muito precária.
Mesmo assim a internet tem contribuído para a qualificação do panorama político brasileiro. Ela veio para aproximar eleitor X candidato, como uma ferramenta de mobilização.
Todos os sites oficiais de campanha nos revelaram o formato de uma agenda eleitoral, a melhor distribuição de material de apoio, ou mesmo um influente canal de aproximação.
Na verdade, sempre buscamos uma referencia externa para definir o que tentamos evidenciar. No caso da política, é menos com o intuito de conhecer novas propostas e mais com o apoio em declarar o engajamento. As mídias sociais estão rápidas na utilização dos serviços como orientação no comando da campanha eleitoral.
A internet será – em um futuro breve – fator de aproximação, apesar das estratégias traçadas pelo pessoal de campanha, capaz de blindar qualquer candidato.
As mídias sociais estão se tornando instrumento de vanguarda para atender e entender o discurso político. Desta vez, a participação do internauta irá fazer a diferença nas urnas eletrônicas.

Surgem novos desafios

Como representante público, sei das minhas obrigações e responsabilidades. Por isso sempre mantive um contato permanente com as pessoas que vivem em nossa cidade.

Por acreditar na importância do dialogar permanente, tenho procurado transformar a comunicação com todos os cidadãos que consultam e buscam soluções em resultados positivos através da mídia eletrônica. Hoje tão difundida em sites, blogs, e-mails e afins. Os tempos mudaram. A nova comunicação viaja numa velocidade em que o tempo não pára e o amanhã é agora.

Com a eleição para deputado estadual, na condição de candidato estreante ao pleito, acredito ser de grande responsabilidade essa representatividade que a mim foi depositada quando eleito o vereador mais votado em toda a história de Niterói.

Busco a continuidade dessa representação política, agora em um patamar mais amplo, pois irei atuar em todo Estado. Esse novo desafio pretendido me conduz a novos enfrentamentos que, em meio ao que já consolidei, passa a ser considerado também como enorme responsabilidade.

Eu, como candidato a deputado estadual do Rio de Janeiro, tenho defendido o uso democrático da mídia eletrônica, tão difundida nas redes sociais.

Está chegando a hora

Parece que a política está finalmente se moralizando. E o percurso dessa caminhada se deu com o apoio da população que levou para o Congresso 1,5 milhão de assinaturas para a implementação do projeto Ficha Limpa.

A participação do eleitorado fez valer a pressão ao utilizar a mídia eletrônica junto aos congressistas. Os candidatos ficha suja estão sendo banidos das casas parlamentares. Se ainda não de todo, pois muitos se utilizam de liminares, o caminho está calçado em julgamentos inadiáveis.

É preciso também garantir transparência absoluta no financiamento de campanha, inclusive nas contas pessoais de cada indivíduo que tenha vida pública. Este é mais um passo na direção da democracia que nós sonhamos.

Todos os gastos de campanha deverão ser divulgados on-line. Conta de campanha tem de ser transparente e deve ser divulgada pelo postulante a um cargo público. Qualquer eleitor poderá entrar na conta de campanha do candidato e saber quais foram os recursos depositados, quais foram os gastos e usados de que forma.

O comportamento ético na política nacional finalmente tem seu desfecho. O senador Cristovam Buarque, empenhado nesta moralização, chegou a propor a aplicação da Conta Limpa, que estou seguindo.

É este Brasil que todos nós queremos.

Eu, como candidato a deputado estadual do Rio de Janeiro, tenho atualizado semanalmente a minha prestação de contas no meu site.