Minha visita às obras da RJ-100

Ontem (30/07) visitei um trecho das obras da RJ-100 (Estrada Velha de Maricá), e conversei com moradores e motoristas. A recuperação asfáltica entre a localidade de Paciência e a 75ª DP (Rio do Ouro) segue a todo vapor. A obra foi possível graças ao meu pedido de reestadualização da via ao então governador Sérgio Cabral, o que permitiu a elaboração do projeto de revitalização, que prevê, em sete quilômetros da via, drenagem, terraplanagem, pavimentação, alargamento de pistas e, em um segundo momento, a duplicação de mais de um quilômetro do trecho entre a localidade de Boqueirão e o viaduto de Maria Paula. Todos sabemos que o Estado e o país enfrentam uma crise. Mas o governador Pezão e eu, que sou da região, estamos atentos à importância dessa obra que terá, sem dúvida, reflexos positivos na vida de milhares de pessoas.

A Saúde avança no estado

O jornal O DIA publicou, no dia 18/07/2015, um artigo que eu escrevi . Gostaria de compartilhar com vocês que acompanham meu blog.

São 20 mil atendimentos, todo dia, nas UPAs e emergências. Como estaria a população sem esse atendimento?

Rio – Sou movido a desafios. Estamos trabalhando para implementar programa de gestão eficiente nas unidades da rede estadual de Saúde. Fácil? Claro que não. E é isso que me faz ter a certeza de que estamos no caminho certo e trabalhando em todas as frentes para dar o melhor atendimento à população, manter as Emergências funcionando 24 horas por dia.

A crise financeira está aí e não é um problema exclusivo do nosso estado. Temos enfrentado esse momento difícil da economia, municípios vêm fechando suas unidades, e há, por isso, de fato, sobrecarga. Mas é isso o que quero: mesmo assim, todos os pacientes são atendidos. E é assim meu gabinete, sempre de portas abertas. Respeito e sempre serei parceiro do Cremerj e de toda entidade de classe que lutar por uma Saúde melhor.

Tenho muito orgulho do trabalho que vem sendo feito e conseguindo, mesmo com dificuldades, avançar. As 58 UPAs acabam de registrar mais um recorde, com 29 milhões de atendimentos, 24 milhões de exames realizados, 1,2 milhão de atendimentos odontológicos e 191 milhões de medicamentos distribuídos à população. Em 2007, antes das UPAs, os hospitais de emergência faziam, juntos, cerca de 2,5 mil atendimentos por dia. Atualmente, graças ao aumento da nossa capacidade, são realizados cerca de 20 mil atendimentos, diariamente, nas UPAs e emergências hospitalares. Sempre pergunto: como estaria a população sem esse atendimento?

Mesmo com o cenário nacional, não paramos serviços nem fechamos unidades. Inauguramos, só neste ano, três Clínicas da Família, com capacidade para fazer 36 mil atendimentos por mês.

Com os avanços que vêm sendo solidificado nos últimos anos, o Rio passou a ocupar o segundo lugar do país no ranking na doação de órgãos; os serviços móveis de imagem (com tomografia, ressonância e mamografia) ajudam os municípios a economizar mais de R$ 42 milhões. Acabamos de expandir o número de leitos de UTI, credenciando 250 leitos, além do Reuni, que foi o pontapé inicial para a integração de serviços estaduais, federais e municipais, ampliando o acesso da população à saúde pública.

http://odia.ig.com.br/noticia/opiniao/2015-07-18/felipe-peixoto-a-saude-avanca-no-estado.html

Barca e quatro trens chegam ao Porto do Rio nesta sexta-feira, 19

Mês passado falei aqui sobre a chegada da nova barca encomendada pelo Governo do Estado. Pois então, ela chega em um navio cargueiro chinês Da Liang nesta sexta,19, no Porto do Rio. Junto com ela, chegam mais quatro novos trens para a SuperVia. Isso significa um grande investimento na mobilidade do nosso estado.

A barca Pão de Açúcar vai integrar a linha Praça XV-Araribóia e poderá substituir duas embarcações tradicionais, com previsão de transportar 30 mil passageiros por dia. Outras seis embarcações do mesmo porte serão totalmente integradas à frota já no ano que vem. Juntas, as sete barcas vão possibilitar uma oferta de 24 mil lugares por hora no horário de rush, o dobro do número de passageiros transportados hoje no trajeto Praça XV-Araribóia, no qual irão operar.

Com capacidade para transportar 2 mil passageiros, as novas barcas têm dupla proa, ar-condicionado, janelas panorâmicas, bicicletário e espaço exclusivo para cadeirantes, além de dois andares, com possibilidade de embarque e desembarque simultâneos.

Já os trens irão ampliar a oferta diária em 48 mil lugares para os passageiros dos ramais ferroviários do Grande Rio. Cada trem possui capacidade para transportar 1,2 mil pessoas e conta com refrigeração, passagem interna entre os carros, sistema que impede a abertura de portas durante as viagens, circuito interno de segurança, bagageiros, interiores mais amplos e iluminados, além de painéis de LED. Até o fim de 2015, toda a frota será renovada e contará com ar-condicionado.

Esse investimento do Governo vai melhorar significativamente a qualidade de vida das pessoas que vivenciam o problema das superlotações e dependem diariamente desses meios de transporte.

Projeto para o Centro precisa ser da cidade e não das empreiteiras!

No próximo dia 16 de julho, a Câmara de Vereadores fará uma nova audiência pública para debater o projeto da Operação Urbana Consorciada, que pretende mudar significativamente a paisagem urbana no Centro da cidade, permitindo inclusive a construção de prédios de até 40 andares.

A questão central, no entanto, não é ainda o projeto em si, mas a forma açodada e sem a adequada transparência com a qual ele chegou à Câmara Municipal. Ele não foi elaborado com a participação das pessoas, como o Estatuto das Cidades exige. Nem mesmo surgiu dos quadros técnicos da Prefeitura.  Este projeto é um “presente” que as maiores empreiteiras do Brasil estão oferecendo “gratuitamente” a Niterói.

Não pretendo aqui polemizar sobre as intenções que podem estar por trás disso, mas a suspeita fica clara quando somos confrontados com um projeto desse nível sendo apresentado como algo que não possui tempo para ser debatido. Os benefícios para a cidade não estão claros. Inclusive, não estão previstos em qualquer plano do Município. Nem no Plano Diretor, nem no Plano de Transportes. Pouca coisa neste projeto está clara.

Chama a atenção o fato de que isso acontece no mesmo momento em que a população brasileira está indo às ruas exatamente contra esse tipo de prática política. O projeto guarda uma complexidade grande e precisa de tempo e de insumos profundos para que possa ser compreendido e receber contribuições da sociedade.

Instrumentos com as Operações Urbanas e a utilização de Certificados de Potencial Adicional, são ferramentas importantes, e não podem ser maculadas por processos que não compartilham do espirito democrático e participativo do Estatuto das Cidades.

A população precisa ser informada e deve se dar o tempo para que se possa contribuir, num processo colaborativo, seguindo os princípios do Estatuto das Cidades e do nosso Plano Diretor. Somente assim é que poderemos de fato dizer que o projeto é da cidade, e não das empreiteiras.

Se a Prefeitura de Niterói agir com sabedoria, ela retirará o projeto de pauta para iniciar um processo de discussão com todos os moradores. É a única atitude sensata no atual momento.

 

Não é só por 20 centavos

“O Brasil acordou” foi certamente uma das frases mais ouvidas na última semana. De fato, há muito tempo nosso povo parecia mesmo dormir profundamente (alguns diriam que em estado de coma) diante de tantas agressões sofridas ao longo dos últimos anos.

A mobilização espontânea da juventude, originada nas redes sociais, gerou uma imagem inédita até mesmo em festas como o Carnaval: a Presidente Vargas completamente tomada de pessoas, da Candelária até a Prefeitura, num evento sem precedentes na história do país.

Uma das coisas que mais causou curiosidade aos cientistas políticos foi a multiplicidade das bandeiras do movimento. Quem foi à Presidente Vargas no dia 20 observou cartazes e grupos defendendo causas por vezes contraditórias, como na questão da redução da maioridade penal: havia militantes contra e a favor participando do ato.

Se as primeiras mobilizações foram organizadas pelo Movimento Passe Livre contra o aumento do valor da passagem, as seguintes foram de fato muito além da luta pelos 20 centavos. A “revolta do vinagre” tornou-se uma grande manifestação contra a impunidade e pelo direito de ser ouvido. A geração que foi às ruas não se sente representada pelo sistema político brasileiro.

Isso traz duas lições importantes. A primeira é a urgência de se realizar uma reforma política que aproxime de fato a população de seus representantes. A convocação de uma nova Assembleia Constituinte para isso não deve ser descartada. A segunda é a necessidade de fortalecer os mecanismos de fiscalização e de participação popular.

Não espero que estas ações calem as vozes que estão hoje se mobilizando. Em verdade, espero que elas multipliquem. Os brasileiros estão mesmo há muito tempo observando tudo à distância. Movimentos como esse são sempre bem vindos e devem ser apoiados por todos aqueles que acreditam na transformação da sociedade através da luta política.

É importante deixar claro que os excessos que aconteceram (e que não deveriam acontecer), foram o resultado da ação de uma minoria. A maior parte das pessoas, quando presenciava qualquer tipo de violência contra pessoas ou edifícios fazia questão de gritar “sem violência” ou “sem vandalismo” – e era ecoada por quem estava em volta.

A mobilização que surpreendeu o país e parou todas as suas grandes cidades nasceu em São Paulo e encontrou seu maior eco no Rio de Janeiro. Os protestos aconteceram em mais de 100 cidades espalhadas por todo o Brasil, levando mais de 1 milhão de pessoas às ruas. Mais ainda: as mobilizações cruzaram oceanos e despertaram brasileiros em diversos lugares do mundo.

 

Dante Luvisotto deixará saudades

Hoje de manhã, compareci ao enterro do grande Dante Luvisotto. Pessoa excelente, humilde, solidário, íntegro e profissional competente, Dante deixará saudades a todos que tiveram o prazer de conviver com ele.
O antigo diretor executivo da Águas de Niterói foi vítima de câncer no pulmão. Mesmo doente, não deixou de trabalhar e só se afastou da empresa na semana passada quando precisou ser internado por conta do agravamento de sua saúde.
O câncer é realmente uma doença imprevisível. Mesmo tendo parado de fumar há 15 anos, Dante não se livrou do mal. E foram apenas cinco meses entre a descoberta e o falecimento. Ele iria fazer 58 anos agora em abril. Uma lástima!
Há exatamente dois anos, quando ainda era vereador, entreguei a ele o título de Cidadão Niteroiense numa sessão solene na Câmara Municipal de Niterói em homenagem aos 10 anos da Águas de Niterói. Reconhecimento merecido a alguém que esteve a frente do saneamento sustentável da cidade e viabilizou projetos importantes voltados para o meio ambiente, cultura e lazer do niteroiense.
Não tenho dúvidas de que ele está agora em um lugar melhor, recebendo a devida assistência e muito carinho. Meu até breve a este grande homem.

Feliz 2012!

O ano novo é sempre um período de reflexão sobre quem nós somos e o que faremos no futuro. É o momento de avaliar nossos projetos, dispensar alguns ou criar novos. É quando colocamos na balança o resultado de nossas atitudes para com aqueles a quem amamos ou, simplesmente, estão juntos de nós no dia a dia.

O fato da passagem de ano ser logo após a comemoração do Natal faz com que esse processo seja ainda mais intenso e especial. Isto porque o nascimento de Jesus nos remete ao compromisso que assumimos de sermos melhores e de fazer o bem ao próximo. Há os que fogem dessa responsabilidade. Mas não tem jeito. Só há mudança efetiva no mundo se mudarmos a nós mesmos primeiro.

Que, no ano de 2012, possamos avançar mais um pouco em direção aos ensinamentos de Jesus, buscando a paz, o amor e a caridade em nossas ações. Desejo a todos saúde, perseverança e fé para superar os desafios do caminho e seguir adiante. O restante vem naturalmente.

Feliz 2012!

Um abraço,

Felipe Peixoto

Com perfil do Facebook no limite, “curta” a minha página de trabalho.

 

Esta semana meu perfil do Facebook atingiu a marca de 5 mil amigos. Agradeço a todos que se interessam pelo meu trabalho e me adicionaram. Muitos participam ativamente colaborando com suas opiniões. Contudo este é o número limite que o site comporta, sendo impossível adicionar mais pessoas.

Para quem deseja receber informações sobre minha atuação política, a alternativa é “curtir” a minha página. O endereço é http://www.facebook.com/felipepeixotopdt. Ela está vinculada ao próprio Facebook e é atualizada com as mesmas informações do perfil. Por ser uma página comum, ela pode ser acessada por qualquer pessoa, ainda que esta não seja participante do grupo de relacionamento.

Como faço para “Curtir” a página Felipe Peixoto?

Você pode encontrar a Página através do navegador de buscas do Facebook, digitando o nome Felipe Peixoto. Logo o acesso à página aparecerá junto com outros links relativos ao nome.

O link da página também está disponível em Informações no meu perfil.

Outra opção é inserir o endereço http://www.facebook.com/felipepeixotopdt em seu navegador de busca da internet.

Ao visualizar a Página, clique em “Curtir” ao lado do meu nome.

Mais um ano de vida

Gostaria de agradecer a todas as pessoas que enviaram mensagens no dia do meu aniversário. Foram muitas as felicitações e demonstrações de carinho. Fiquei muito feliz, de verdade. São 34 anos de idade, 25 dedicados à política. E o presente mais importante deste ano está sendo a oportunidade de desenvolver os projetos que sempre defendi num âmbito maior.

Julgo que esta oportunidade é fruto do reconhecimento do meu trabalho e do meu potencial. Para chegar até aqui foram muitos os desafios. As pessoas que acompanham a minha trajetória sabem disso.

Agradeço também às demonstrações de apoio e aos votos de confiança e garanto que continuarei fazendo o meu melhor pelo Estado. E conto gentilmente com a colaboração de cada um. Eu e vocês transformando o nosso Estado.

Obrigado.