Museu do Trem apresenta a exposição “O Rio Grande na era dos trens”

Está em cartaz, até o dia 29 de novembro, no Museu do Trem, a exposição “O Rio Grande na era dos trens” com registros dos fotógrafos José Abraham e Alfonson Abraham, pai e filho.

Durante os anos de 1950 a 1980, a dupla acompanhou a trajetória das máquinas que levaram o progresso ao Rio Grande do Sul, desde as oficinas que produziam as peças de reposição até a última Maria Fumaça que rodou os trilhos entre as cidades de Bagé e Rio Grande.

Recomendo a todos que visitem o Museu do Trem e confiram a exposição. É uma interessante viagem no tempo, que remete a uma época em que o trem era o principal meio de transporte tanto de cargas como de passageiros.

Fundado em 1984 e fechado desde 2007, quando o prédio foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Museu do Trem reabriu suas portas esse ano e merece ser visitado pelos cariocas.

Este é o único museu dedicado ao trem no Estado do Rio de Janeiro e o único espaço cultural do bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte. Desde julho do ano passado essa reabertura vinha sendo muito reivindicada por antigos funcionários da Rede Ferroviária Federal (RFFSA) e por todos aqueles interessados na memória do transporte ferroviário.

O Museu do Trem fica na Rua Arquias Cordeiro, 1046, no Engenho de Dentro. A visitação acontece de segunda a sexta, das 10h às 16h, com entrada franca. Vamos prestigiar!

Um novo cenário para nossas bibliotecas

A volta às aulas trará surpresas para os alunos das escolas públicas de Niterói. Esta semana, O Fluminense publicou uma excelente matéria sobre reformas em algumas das bibliotecas da nossa Rede Municipal de Ensino. Sem dúvidas, um grande presente para nossos alunos. O projeto, fruto de uma parceria entre a Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MinC) e o Sistema Nacional de Informação e Indicadores Culturais (SNIIC), através do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP), irá investir R$ 36 mil em programas de modernização e atualização de acervos.

De fato, ambientes mais organizados e novos livros permitirão mais facilidade no acesso à leitura, sem falar na contribuição à qualidade do aprendizado. A FBN já estipulou pontos de vendas para que as editoras possam vender seus títulos ao preço máximo de R$ 10. A previsão é que até março o novo acervo já esteja disponível.

Recentemente acompanhamos a restauração da Biblioteca Estadual de Niterói, grande projeto da Secretaria de Estado de Cultura. Sou membro da Associação dos Amigos da Biblioteca Estadual, vistoriei as obras e, hoje, estou muito satisfeito com os resultados: mais acesso à informação e inclusão social. Merecida conquista de nossa cidade.

Esse cenário promissor me traz muita alegria. Mais que reformas, estamos falando no futuro das nossas crianças. O incentivo à prática da leitura é primordial para a formação de cidadãos plenos em cultura e cidadania.

Das cinco Bibliotecas Populares de Niterói, três serão contempladas. São elas: Biblioteca Popular Municipal Cora Coralina, no Centro; Biblioteca Popular Municipal Aguinaldo Pereira de Macedo, na Vila Ipiranga; e Biblioteca Popular Municipal Albertina Fortuna Barros, no Badu. Ao todo, temos um acervo com mais de 27 mil títulos cadastrados nessas unidades, e ainda contamos com as bibliotecas da Universidade Federal Fluminense (UFF) que agregam duas das mais importantes bases bibliográficas, que somam mais de 11 mil livros.

Nossos jovens leitores agradecem esse projeto!