Mais de 600 mil exames diagnósticos realizados, em 2014, na rede estadual de Saúde

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) divulgou, ontem, um balanço de 2014 – quando registrou mais de 600 mil exames de diagnóstico por imagem realizados na rede estadual – incluindo o Centro de Diagnóstico por Imagem do Rio de Janeiro (o Rio Imagem) e os Serviços Móveis de Imagem.

Os Serviços Móveis de Imagem, inclusive, registraram 160 mil exames realizados desde a sua inauguração, em 2009. Já o Rio Imagem registrou quase 300 mil exames ao longo de 2014, sendo a ultrassonografia e a mamografia as especialidades mais procuradas.

Outro dado relevante divulgado mostra que o Hospital Estadual Getúlio Vargas (HGV), na Penha Circular, foi a unidade hospitalar que mais realizou tomografias, sendo responsável por mais de 4.200 exames realizados entre janeiro e dezembro do ano passado.

Nas unidades móveis, o Mamógrafo Móvel – que circulou pelos municípios do interior do estado – registrou 22.710 exames ao longo do ano. A Ressonância Móvel somou mais de 6 mil exames no mesmo período. Juntos, os equipamentos móveis de imagem realizaram, em 2014, quase 50 mil exames. Um excelente resultado.

Rio+20: um ano depois

Acontece na segunda, dia 12, um encontro para debater as consequências da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que em 2012 reuniu representantes de mais de 190 países no Rio de Janeiro para discutir a renovação do compromisso político com a causa ambiental.

Encontro semelhante aconteceu em fevereiro, quando o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) realizou uma reunião mundial tendo como tema central a implementação prática das decisões oriundas da Rio+20. Essas mudanças estão organizadas numa espécie de guia a partir do qual seriam conduzidas as ações para o desenvolvimento sustentável. Esse documento, no entanto, caminha a passos lentos para sua efetivação.

Logo em seguida, o Pnuma lançou o relatório ‘Perspectivas do Meio Ambiente Mundial’, apontando que apenas quatro dos 90 objetivos ambientais mais importantes listados pela ONU tiveram avanços significativos nos últimos anos: a eliminação do chumbo na gasolina, a melhoria do acesso ao abastecimento de água, a eliminação da produção e uso de substâncias que prejudiquem a camada de ozônio e a promoção de pesquisas para reduzir a contaminação do ecossistema marinho.

No Brasil, o ponto positivo é a redução do desmatamento, que deixou de ser a principal causa de emissão de gases de efeito estufa no país. Outro importante avanço está no comportamento da sociedade ao perceber que sustentabilidade não se trata mais de um tema desconhecido. Não nos basta somente estar presos a debates teóricos. Mais que propor ações, é preciso o nosso entendimento e a nossa colaboração no uso responsável dos recursos naturais que temos.

Sem dúvidas, a Rio+20 foi ponto de partida para a implementação de acordos internacionais e políticas públicas que precisam, agora, ser colocadas em prática. Priorizando a qualidade de vida.