A BEN é destaque ao promover inclusão social através da leitura

Em recente publicação da revista Veja Rio, a Biblioteca Estadual de Niterói (BEN), foi citada entre os exemplos de instituições públicas que promovem a inclusão social através de ações de incentivo à leitura.

O conceito de biblioteca parque adotado aqui é baseado na experiência de Medellín, na Colômbia. Lá, desde 2006, o governo tem apostado em bibliotecas que não são apenas locais de leitura, mas espaços que juntam educação, recreação e cultura. Quando estive no país, ano passado, conheci projetos muitos interessantes e essa nova ideia de biblioteca está entre eles.

A ideia por aqui também deu certo e o reconhecimento no exterior já está acontecendo. Ano passado nossa biblioteca foi aceita na comunidade internacional de bibliotecas Beyond Access, em Washington, nos Estados Unidos.

Reinaugurada em 2011, a BEN passou a ser frequentada também por pessoas em situação de rua que encontraram ali uma forma de socialização. Com o propósito de realizarem cadastro na biblioteca, esses novos visitantes adquiriram documentos de identificação e comprovantes de albergue. Assim, resgataram sua autoestima e cidadania.

Desde 2004, quando foi liberada a verba para as obras de restauração do espaço, acompanho as decisões do governo estadual em relação à BEN que, além de seu papel educacional, é uma referência em arquitetura. O prédio compõe um dos mais belos conjuntos arquitetônicos da nossa cidade.

Hoje, o espaço reúne mais de 50 mil publicações atualizadas, sendo 157 para deficientes visuais. Circulam pela BEN uma média mensal de cinco mil visitantes, além da conquista de um público adicional. Esse cenário promissor me traz muita alegria. A inclusão social pode e deve ser feita com acesso ao conhecimento, esse é o papel principal da biblioteca. Estamos no caminho certo.

Um ano de reinauguração da Biblioteca Estadual de Niterói

Semana passada a Biblioteca Estadual de Niterói comemorou um ano de sua reinauguração. O prédio histórico, do início do século XX, reabriu as portas com o novo conceito de uma biblioteca parque. Inspirado na experiência de Medellín, na Colômbia, o projeto buscou organizar o espaço da biblioteca com o objetivo de promover o acesso mais fácil à informação e favorecer a inclusão social.

Desde 2004, quando foi liberada a verba para as obras de restauração do espaço, acompanhei as decisões do governo estadual em relação à biblioteca. Além do seu papel educacional, a Biblioteca Estadual de Niterói também é uma referência em arquitetura. O prédio compõe um dos mais belos conjuntos arquitetônicos de nossa cidade.

Hoje, o espaço reúne mais de 50 mil publicações atualizadas, sendo 157 para deficientes visuais. Circulam pela BEN uma média mensal de cinco mil visitantes. Além disso, a biblioteca festeja a conquista de um público adicional.

Pessoas em situação de rua também passaram a frequentar a biblioteca e encontram ali uma forma de socialização. No início, os novos visitantes apenas utilizavam o espaço para descanso e convivência, mas logo a curiosidade não resistiu aos atrativos do acervo e serviço. Com o propósito de realizarem cadastro na biblioteca, estes visitantes adquiriram documentos de identificação e comprovantes de albergue. Dessa forma, resgataram a sua autoestima e cidadania.

Realmente, o resultado da reforma ficou excepcional. Os novos ambientes mais organizados e descontraídos, modernos recursos tecnológicos e computadores com acesso gratuito à internet permitem que o visitante tenha uma experiência mais divertida que vai além de apenas ler um livro. A inclusão social pode e deve ser feita com acesso ao conhecimento, esse é o papel principal da biblioteca. Estou muito satisfeito com esse novo cenário. Conheça você também!

Biblioteca Estadual de Niterói: exemplo de inclusão social através do conhecimento

No sábado, dia 7, o Globo Niterói publicou uma excelente matéria sobre a Biblioteca Estadual de Niterói. Realmente, o resultado da reforma ficou excepcional. Grande trabalho da Secretaria de Estado de Cultura que aproveitou a oportunidade da obra para implementar um novo conceito, a “Biblioteca Parque”. O projeto, inspirado na experiência colombiana da cidade de Medellín, buscou organizar o espaço da biblioteca com o objetivo de promover o acesso mais fácil à informação e como consequência favorecer a inclusão social.

O ambiente mais organizado e descontraído, os recursos tecnológicos oferecidos como isolamento acústico e computadores com acesso à internet e os eventos culturais permitem que o visitante da biblioteca tenha uma experiência mais divertida que vai além de apenas ler um livro. São motivos para que a pessoa retorne e frequente o espaço.

“Aqui está o futuro dos nossos cidadãos, dos nossos jovens e das nossas crianças. Porque é em lugares como esse que formamos gente com capacidade de pensar como sociedade, olhar para o mundo e ampliar seus horizontes. Inclusão social deve e pode ser feita com acesso ao conhecimento, esse é o papel principal da biblioteca. Além disso, também serve como um espaço de convivência. Queremos que esse lugar seja um centro de cultura e cidadania.” Adriana Rattes

A nova cara do BEN me traz grande alegria. Desde 2004, quando o dinheiro da reforma foi liberado, procurei acompanhar de perto as decisões do governo do estado em relação à biblioteca. Por ser vereador de Niterói e membro da Associação dos Amigos da Biblioteca Estadual, assumi a reponsabilidade de fiscalizar o projeto, cobrando informações sobre o cronograma de execução e vistoriando as obras.

Em 2008, foi realizada uma Moção de Congratulações a bibliotecária Maria da Glória Blauth Schlobach, pelo 73º aniversário do BEN por meio de uma indicação minha. Maria da Glória há muito tempo é a diretora da biblioteca e ama o espaço. Lutou incansavelmente pela restauração da biblioteca e hoje certamente vive um grande momento na sua vida profissional com concretização desse sonho.

Além do seu papel educacional, a Biblioteca Estadual de Niterói também é uma referência em arquitetura. O edifício foi o último exemplar que compõe, juntamente com outros prédios do entorno, um dos mais belos conjuntos arquitetônicos da cidade. Merecia ser restaurada! E somente com o comprometimento do governador Sérgio Cabral e da secretária Adriana Rattes essa reforma foi possível. Niterói agradece essa bela obra!

Agora sim temos uma biblioteca que representa de fato nossa querida ex-capital.