Programa de governo prevê economia de energia

Essa nota saiu no site do Governo do Estado. A ação me parece muito boa. Não conheço o programa e vou aguardar o lançamento que ocorrerá hoje para saber detalhes.

Entretanto, acredito que todos os projetos voltados para a sustentabilidade e preservação do meio ambiente são bem-vindos. Depois de concretizado, devemos lutar para a manter esses projetos em funcionamento.

Governador lança o programa Rio Capital da Energia nesta quarta-feira

O governador Sérgio Cabral e o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Julio Bueno, vão lançar nesta quarta-feira (31/8), às 17h, o programa Rio Capital da Energia. Parceria com empresas e entidades públicas e privadas, o programa tem o objetivo de fazer do Rio de Janeiro um centro de referência em racionalização, inovação tecnológica e sustentabilidade ambiental na área energética.

Participarão do encontro o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e presidentes de órgãos, entidades e empresas do setor energético.

Por que é nosso papel exigir soluções da Ampla?

A coisa não podia ter outro fim. A falta de investimentos regulares e de manutenção adequada da rede fez com que a Ampla ficasse cada vez mais estreita. Não foi por acaso que o Leste Fluminense acabou mergulhando nesta crise energética particular.

Os sinais de que isto estava por acontecer vinham aparecendo de forma recorrente. Os apagões pontuais se tornaram cada vez mais freqüentes. A solução dos problemas foi demorando mais e mais. E a piora constante na qualidade do serviço nos deixava perplexos com a crescente eficiência que a empresa demonstrava na hora da cobrança. Para a população ficou claro (embora sem luz) que a Ampla já não mais se preocupa em prestar um serviço de qualidade aos moradores do estado do Rio.

É por isto que no prolongar do último apagão a paciência das pessoas se esgotou por completo. Em alguns locais, moradores chegaram a fechar ruas para manifestar seu descontentamento. Mas este tipo de manifestação individual ou de pequenos coletivos ainda não é o que vai afetar a empresa. É importante que canalizemos nossa disposição num movimento que faça a empresa rever seus métodos de vez.

Nosso mandato decidiu tomar uma iniciativa: disponibilizar, na rede, modelos de petição para que os cidadãos afetados pelo tratamento injusto desta empresa possam requerer seus direitos na Justiça. Quanto mais pessoas ingressarem com ações neste sentido, mais motivos a empresa terá para repensar suas prioridades. Se nós fazemos nossa parte de pagar a conta de luz em dia, porque somos obrigados a enfrentar a constante falta de energia em nosso estado?

Enquanto não nos organizarmos para exigir nossos direitos como cidadãos e consumidores, a Ampla continuará se sentindo à vontade para manter o seu padrão de (mau) serviço. É preciso que tomemos atitudes concretas. Afinal de contas, energia elétrica não precisa voltar a ser artigo de luxo.