Trilhas e circuitos da Serra da Tiririca

Depois de falar dos investimentos em segurança para a Serra da Tiririca que, recentemente, recebeu uma Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) que vai intensificar o combate aos crimes ambientais e manter a segurança no entorno do local, é a vez de falar das muitas opções de lazer e aventura que o parque oferece aos visitantes e aventureiros.

É muito importante a aproximação das pessoas com a natureza e o incentivo ao desenvolvimento do turismo na região, por meio de trilhas que atraem os moradores locais, regionais e até estrangeiros.

A primeira delas é a trilha no Morro das Andorinhas, de aproximadamente um quilômetro, com 45 minutos de duração que tem vista para a praia de Itacoatiara. Outra boa dica é a escalada no Morro do Tucum (Costão), com 330 metros de altitude, e vista para a praia de Itacoatiara, o Morro das Andorinhas e o Rio de Janeiro.

A Pedra do Elefante é o ponto mais alto de Niterói com vista para as cidades do Rio, Niterói e Maricá, onde é possível chegar depois de 1h30 de caminhada. Na Enseada do Bananal, cercada por rochas que adentram o oceano e formam uma espécie de “castelo das rochas”, são apenas 25 minutos de trilha, também acessível a crianças.

Tem também o Mirante de Itaipuaçu, um dos principais cartões postais do parque que proporciona uma vista única da baixada litorânea de Maricá e da praia de Itaipuaçu. E, por fim, a trilha plana pelo Córrego dos Colibris, com 10 minutos de caminhada de nível leve. O acesso é pela Estrada do Engenho do Mato.

O Parque Estadual da Serra da Tiririca, demarcado em 2007 e administrado pelo Inea, é um grande polo de ecoturismo e lazer de Niterói e Maricá. Uma área muito querida pelos niteroienses e sua preservação vai além de manter a flora e a fauna que a compõe. Niterói tem tudo para se tornar uma cidade onde se possa engrandecer o turismo.

Ciclismo e cidadania no World Bike Tour Rio

Ontem participei de mais uma edição do World Bike Tour (WBT) no Rio. Percorremos cerca de 11 km, de Copacabana até o Aterro do Flamengo. Essa é a segunda vez que o evento acontece na cidade e, novamente, foi um sucesso.

O WBT não só incentiva a prática do esporte como envolve, também, ações de cidadania, na busca por mais qualidade de vida, através de hábitos mais saudáveis. Além da motivação à inclusão social já que, mais uma vez, portadores de deficiência visual ou física tiveram espaço e também puderam participar.

O sucesso da edição passada do WBT foi relevante para dar continuidade ao projeto no Rio, que já foi sede de importantes eventos do segmento como, por exemplo, o Campeonato Brasileiro de Ciclismo e a Taça Brasil Open de Bicicross, em 2011.

A programação do WBT desse ano incluiu eventos na Quinta da Boa Vista e a participação de 700 ciclistas mirins. E nos vinte dias de atividades, houve também debates sobre mobilidade e sustentabilidade.

Tenho alguns artigos publicados sobre o uso da bicicleta como transporte sustentável. Pedalar é uma prática saudável e um hábito que, cada vez mais, conquista mais adeptos. O WBT é, sem dúvidas, um importante aliado na divulgação da cultura do ciclismo entre as pessoas.

A municipalização do Caio Martins

O Complexo Esportivo Caio Martins já serviu de cenário para grandes disputas nacionais das mais diversas modalidades esportivas. No entanto, está há décadas sem passar por obras de modernização e sua estrutura não pode mais ser utilizada para competições profissionais. Hoje, é muito usado por crianças e adolescentes que usufruem, gratuitamente, de aulas de iniciação à prática esportiva.

O Caio Martins é um ponto central da cidade e de vital importância na formação de atletas. Por isso, vou criar um programa de apoio aos nossos esportistas. Além de valorizar todas as dimensões do esporte: amador (através das respectivas ligas, clubes e demais organizações), recreativo, paraolímpico e não-olímpico.

Como prefeito, quero municipalizar o Caio Martins. É preciso torná-lo um espaço público para melhor uso dos niteroienses. Irei trabalhar para que o espaço seja modernizado, com uma nova estrutura que permita ser utilizada para competições profissionais.

O Caio Martins é importante para o esporte, para a cidade e faz parte da nossa história. Essa reconquista é um direito dos niteroienses!

Possível nova gestão do Caio Martins reacende a discussão sobre o destino do estádio

Depois de muito se discutir sobre o futuro do Complexo Esportivo Caio Martins, parece que, enfim, o impasse será resolvido. A Universidade Federal Fluminense vem demonstrando interesse pela administração do espaço e, em breve deve apresentar um projeto ao governador Sergio Cabral. A ideia de Roberto Salles, reitor da UFF, é torná-lo referência em esporte em Niterói e no Brasil, além de transformá-lo em um estádio multiuso para sediar grandes eventos esportivos e projetos sociais.

O Caio Martins já serviu de cenário para grandes disputas nacionais das mais diversas modalidades esportivas. No entanto, está há décadas sem passar por obras de modernização e sua estrutura não pode mais ser utilizada para competições profissionais. Hoje, é muito usado por crianças e adolescentes que usufruem, gratuitamente, de aulas de natação, judô, basquete, futebol, vôlei, ginástica estética e olímpica e jazz. A Universidade tem o Projeto UFF Esportes que patrocina alunos, funcionários e atletas. Boa iniciativa para manter e aperfeiçoar essas aulas.

A cessão do Caio Martins para a UFF, na verdade, expande o domínio da instituição na gestão de equipamentos públicos em Niterói. A possibilidade de cessão da Estação da Cantareira, que está sendo avaliada pela Secretaria Estadual da Casa Civil e a recente aquisição do Cinema Icaraí confirmam a aproximação da universidade com a sociedade, cobrada por muitos.

Acredito que será muito bom que a UFF assuma a faça um bom trabalho. É preciso entender que o esporte tem grande importância na sociedade. O estádio precisa voltar à ativa. Seria uma grande alegria vê-lo funcionando novamente e com qualidade. E você? Qual a sua opinião sobre esse projeto?

Caio Martins: governo quer ideias para revitalizar e modernizar o complexo esportivo

Hoje tivemos uma reunião bem interessante no Palácio Guanabara. O governador reuniu o prefeito de Niterói, vereadores, deputados e secretários de Estado. Sua intenção era ouvir os representantes da cidade de Niterói sobre o que pensavam a respeito do estado atual do Caio Martins e o que pensavam sobre o seu futuro. O encontro fluiu de forma muito positiva.

O complexo do Caio Martins está há décadas sem passar por obras de modernização. Além disso, com a evolução das regulamentações esportivas, há muito seus equipamentos não podem mais ser utilizados para competições profissionais: nem o estádio, nem o ginásio nem o parque aquático.

A enorme área ocupada pelo complexo acabou se tornando bastante subutilizada. O entorno do estádio tornou-se inclusive uma região insegura. O mercado imobiliário, que está ocupando todos os espaços disponíveis no Jardim Icaraí, já demonstrou interesse no local. No entanto, é impossível imaginar aquela área sem a presença de espaços públicos de convivência e de prática esportiva.

É preciso fazer a drenagem dos dois rios que passam embaixo do estádio, para resolver o problema das enchentes que afetam a região chuva após chuva. É preciso fazer a abertura de vias para ajudar a desafogar o trânsito. É preciso, mais que tudo, que aquele espaço volte a dialogar com o bairro e com a cidade no qual está inserido.

O governador posicionou-se de forma correta. Primeiro esclareceu que não tem nenhum projeto para o complexo esportivo – possui apenas a ideia de revitalizar o local e quer, para isso, contar com a participação da população. Afirmou também que o Estado não tem todos os recursos necessários para a intervenção e que vai precisar do apoio da iniciativa privada. Em seguida, ouviu os presentes. Ao fim da reunião, o desenho ficou assim:

O Estado irá lançar um edital público para que a iniciativa privada apresente projetos para revitalização da área, nos moldes do que foi realizado com a revitalização da zona portuária carioca;

  • Ficou estabelecido que não será aceito nenhum projeto que inclua a construção de novos apartamentos;
  • Os projetos deverão incluir a construção de arena multiuso, restaurantes, vagas de estacionamento e todos os itens requisitados para os complexos esportivos modernos do mundo.

Nesta terça-feira dia 03/05, a Câmara de Niterói fará uma audiência pública para tratar do assunto, com início às 20h. Eu estarei lá, junto com meus colegas Régis Fichtner, chefe da Casa Civil, e Márcia Lins, secretária de Esportes, que falarão em nome do governador. Espero encontrar vocês também para que todos possamos colocar nossas opiniões, favoráveis e contrárias, para definir o melhor destino para aquele local.