Meu pesar pela morte da jornalista Nina Rita Torres

Com muito pesar recebi na manhã de quinta, dia 10, a notícia do falecimento da jornalista Nina Rita Torres, a Dona Nina, presidente do Grupo Fluminense.

Filha do jornalista, advogado e político Alberto Francisco Torres, Nina também seguiu carreira na imprensa e comandou o Grupo Fluminense de Comunicação, depois da morte de seu pai em 1998.

À frente do Grupo, Nina editou por muitos anos o suplemento infantil Pingo de Gente e, mais recentemente, cuidava da supervisão das coberturas sociais, culturais e de ações de cidadania em Niterói.

Jornalista, professora e empresária, Nina Rita sempre foi uma filha muito dedicada. Por ocasião do centenário de nascimento do pai, a quem tinha muita admiração, esteve presente em todas as homenagens.

Nina Rita era viúva, mãe do médico dermatologista Alberto Francisco Torres Amora (já falecido), e do jornalista Alexandre Torres; avó de Rafaela e Victor Torres.

Sofria de problemas cardíacos e, desde janeiro, estava internada no Hospital Samaritano, em Botafogo. Partiu aos 73 anos, deixando saudade nos familiares e amigos.

Nina deixou a marca em sua trajetória pela firme gestão à frente do Grupo. Seu trabalho reafirmou o compromisso de liberdade e respeito ao público assumido por seu pai. Aos mais próximos, minha solidariedade e pesar.

Descanse em paz.

O Brasil se despede de Oscar Niemeyer

Ontem, recebi com muito pesar a notícia do falecimento de Oscar Niemeyer. Grande ícone brasileiro, arquiteto inovador, comunista convicto, além de pessoa sensível, sábia e jovem apesar de mais de um século de vida.

Com traços livres e rápidos, Oscar Niemeyer criou um novo movimento na arquitetura. Seu maior diferencial foram as curvas. E para chegar a este resultado tornou-se adepto do concreto armado que lhe permitia formatar os prédios. Para ele, a arquitetura também era uma arte e as edificações deveriam compor com a paisagem.

Depois de Brasília, Niterói é a segunda cidade do mundo com a maior quantidade de obras projetadas pelo arquiteto. Além da Fundação Oscar Niemeyer, temos os prédios do Memorial Roberto Silveira, o Teatro Popular, a Praça JK, a Estação de Catamarãs, no Charitas, e o MAC, símbolo que destacou Niterói para o mundo e figura entre os seus projetos mais conhecidos. Agradeço o carinho que teve por nossa cidade e as obras dedicadas à nossa população.

No ano do centenário do arquiteto, em 2007, conseguimos aprovar a lei que tomba o MAC e preserva o patrimônio arquitetônico e cultural do museu. Em 2010, tive a oportunidade de estar ao lado de Niemeyer quando inauguramos a Fundação que recebe seu nome. Foi um momento muito especial e importante para nossa cidade. Em 2011, aos 104 anos, Niemeyer tornou-se patrono do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ).

Morre com ele uma pequena parte da história recente do Brasil. Mas seu legado será eterno. Inspiração para muitas gerações. Vá em paz!

Eva Ramos, vá com Deus!

Um dia após completar-se oito anos da morte de Leonel Brizola, o nosso partido sofreu outra grande perda. Com muito pesar, recebi a notícia do falecimento da minha amiga, companheira e eterna presidente do PDT de Niterói, Eva Ramos. Sua passagem ocorreu no Hospital das Clínicas (HCN), vítima de complicações causadas por um AVC, sofrido em 2010.

Eva foi uma das fundadoras do PDT e fez parte de importantes conquistas políticas para nosso país. Ocupou o cargo de chefe de gabinete do prefeito Jorge Roberto Silveira, além de ter sido titular das pastas de Administração e Assistência Social.

Com Darcy Ribeiro, coordenou a campanha de Brizola para a Presidência da República e esteve à frente das campanhas estaduais e municipais do partido.

Conheci Eva ainda na época do Comitê Mirim do PDT. Desde então, sempre a tive como referência. Eu e outros jovens sempre aprendemos com Eva a fazer Política com P maiúsculo – com ética, respeito e coerência. Me lembro que ela era uma das poucas pessoas capazes de defender suas posições ao mesmo tempo com bravura e serenidade. Uma perda lamentável.

Brasil perde Neiva Moreira, ex-presidente nacional do PDT

Na quinta-feira (10), o PDT perdeu um de seus fundadores e grande nome do cenário político do país. Neiva Moreira, maranhense de Nova Iorque, estava internado desde o dia 31 de março em razão de complicações respiratórias. Tinha 94 anos.

Moreira era jornalista e esquerdista ferrenho. Defendeu a criação da Petrobras e da Eletrobras, em 1950, quando era deputado estadual pelo Maranhão. Nessa época, condenou a intervenção do capital estrangeiro na economia nacional e a remessa de lucros para o exterior. Apoiou a Revolução Cubana e defendeu a reaproximação com a União Soviética.

Foi eleito deputado federal em 1955, 1958 e 1962. Exerceu decisivo papel na transferência da capital para Brasília, ajudando na instalação da Câmara dos Deputados. O feito é relatado em um dos vários livros que escreveu chamado “Rio de Janeiro: Terceiro Mundo” de 1988.

Em 1964, foi cassado pela Ditadura Militar e buscou o exílio. Por todo o período de afastamento, nunca deixou a carreira jornalística. Por onde passou, trabalhou em jornais e revistas.

Ao retornar ao Brasil aliou-se a Leonel Brizola e juntos lutaram para propagar a ideologia trabalhista pelo Brasil e também pela América Latina. Ajudou a fundar o PDT, e chegou a ser presidente nacional. Na redemocracia, Moreira foi novamente eleito deputado federal de 1993 a 2007, período em que foi líder do partido na Câmara duas vezes. Em 1993, participou do Congresso Revisor, quando o Brasil reviu sua Constituição.

Homem íntegro, consciente de seu papel na sociedade, Moreira é um exemplo de político a ser seguido. Agora, descansa junto dos amigos Leonel Brizola, Darcy Ribeiro e Jackson Lago.

Apesar de, nós pedetistas, nos sentimos um pouco órfãos, não podemos deixar de dar continuidade ao legado deixado por tão brilhantes líderes. Devemos manter os ideais vivos!

A perda do nosso líder histórico mereceu uma nota da presidente Dilma Rousseff que esteve junto de Neiva Moreira na fundação do PDT em 1979.

Dante Luvisotto deixará saudades

Hoje de manhã, compareci ao enterro do grande Dante Luvisotto. Pessoa excelente, humilde, solidário, íntegro e profissional competente, Dante deixará saudades a todos que tiveram o prazer de conviver com ele.
O antigo diretor executivo da Águas de Niterói foi vítima de câncer no pulmão. Mesmo doente, não deixou de trabalhar e só se afastou da empresa na semana passada quando precisou ser internado por conta do agravamento de sua saúde.
O câncer é realmente uma doença imprevisível. Mesmo tendo parado de fumar há 15 anos, Dante não se livrou do mal. E foram apenas cinco meses entre a descoberta e o falecimento. Ele iria fazer 58 anos agora em abril. Uma lástima!
Há exatamente dois anos, quando ainda era vereador, entreguei a ele o título de Cidadão Niteroiense numa sessão solene na Câmara Municipal de Niterói em homenagem aos 10 anos da Águas de Niterói. Reconhecimento merecido a alguém que esteve a frente do saneamento sustentável da cidade e viabilizou projetos importantes voltados para o meio ambiente, cultura e lazer do niteroiense.
Não tenho dúvidas de que ele está agora em um lugar melhor, recebendo a devida assistência e muito carinho. Meu até breve a este grande homem.

A política perdeu hoje um grande homem: João Sampaio

Amigos, compartilho com vocês uma notícia triste para mim. Morreu hoje pela manhã João Sampaio, ex-prefeito de Niterói e grande amigo. Ele lutava bravamente há mais de um ano contra um câncer no pulmão, mas não resistiu.

Estou me sentido como se estivesse perdido um pai. Desde quando comecei a militar no PDT ainda moleque, sempre tive a maior admiração pela sua pessoa e pelo seu trabalho. Com o tempo, nos tornamos amigos e tive a grande honra de aprender com ele a arte da política e o respeito pelo o que é público.

Quando me tornei secretário de Estado fiz questão que trabalhasse junto comigo. Estava sempre com ele, mesmo depois do agravamento da doença. Conversávamos muito sobre sua saúde e sobre o trabalho. Ele estava orgulhoso da minha trajetória e me ajudava em tudo. Eu, de minha parte, lhe dava força e ânimo. Queria muito ele do meu lado. Era um homem raro.

João era uma pessoa honesta, generosa, educada, de bem com a vida, correta e leal. Um exemplo de homem público e de profissional comprometido com a cidade de Niterói e com o Rio de Janeiro. Uma grande perda. Uma tristeza sem tamanho. Vá em paz meu amigo, João.

Momento difícil em Teresópolis

Teresópolis vive um momento difícil. Depois da tragédia que abateu a cidade em janeiro e das denúncias de corrupção envolvendo o ex-prefeito, agora a população perde o atual prefeito. Já não bastasse a difícil recuperação do município em todos os sentidos, inclusive o emocional, a morte de Roberto Pinto é mais um momento de tristeza pelo qual todos passam.

O prefeito morreu de madrugada, logo depois de ter trabalhado o dia todo na Prefeitura. Ainda enfrentou o aborrecimento de despachar no saguão do prédio, tudo porque o antigo prefeito trancou a sala reservada ao chefe do executivo. Não ficou no cargo nem 48 horas. Uma pena.

Recebi a notícia com consternação. Ninguém espera que isso aconteça assim de repente, ainda mais numa cidade que precisa tanto de um líder para resolver os problemas e devolver a autoestima a seus habitantes.

José de Alencar: o descanso de um Guerreiro

“O ex-vice-presidente da República José Alencar, 79 anos, morreu às 14h41 desta terça (29), no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos.” (G1)

Homem de fibra. Perseverante. Amante da vida. Essa é a imagem que guardarei do ex-vice-presidente José Alencar. Ele não se entregou em nenhum momento e, mesmo que indiretamente, passou força e confiança a milhares de vítimas de câncer em todo o Brasil.

Foram 13 anos de luta contra a doença dos quais cinco contra o mesmo tumor. Sempre que uma nova internação ou surgimento de outro câncer era noticiado, os brasileiros angustiavam-se. Uma torcida silenciosa esperava por sua recuperação e o fim do suplício. Infelizmente não foi possível. Ficam a tristeza e o exemplo desse homem ilustre.

Fique em paz e descanse!

“Não tenho medo da morte, porque não sei o que é a morte. A gente não sabe se a morte é melhor ou pior. Peço a Deus que não me dê nenhum tempo de vida a mais, a não ser que eu possa me orgulhar dele.” José Alencar

“As pessoas não morrem, ficam encantadas.” Guimarães Rosa