Niterói terá a primeira escola pública bilíngue do Brasil

Convido a todos para amanhã, às 17h, participarmos da inauguração do Ensino Médio Intercultural Brasil-França no CIEP 449 Governador Leonel de Moura Brizola, em Charitas. Será a primeira escola pública bilíngue do Brasil, fruto da parceria entre os governos estadual e francês. Um importante passo na promoção da educação de mais qualidade, que é direito dos nossos alunos.

A escola Leonel de Moura Brizola foi escolhida para receber esse projeto inédito no anúncio do secretário de Estado de Educação Wilson Risolia, feito em junho do ano passado, durante o encontro promovido pela União dos Professores Públicos no Estado (Uppes).

E uma das primeiras medidas adotadas por Risolia foi enviar uma equipe de professores à França para cursos de aperfeiçoamento. Em retribuição, uma educadora francesa também passou por aqui prestando assistência aos nossos profissionais.

Por meio do projeto Línguas Estrangeiras, do Governo do Estado, também serão inaugurados o Ensino Médio Intercultural Brasil-Estados Unidos no CIEP Carlos Drummond de Andrade, em Nova Iguaçu, e o Colégio Estadual Hispânico João Cabral de Melo Neto, no Méier.

Aqui, o curso será oferecido em tempo integral e ao longo dos três anos de duração, vai promover ações com o objetivo de desenvolver a proficiência em Língua Francesa, garantindo atividades pedagógicas que possam contribuir no aprendizado do idioma.

Sabemos que há muito a ser feito pelo ensino público estadual. E essa, sem dúvidas, será uma importante relação de troca, já que as escolas francesas são nossas parceiras e também estudam a nossa cultura. O CIEP 449 Leonel de Moura Brizola fica na Rua Ermelindo Marins, s/nº, em Charitas. Um grande feito que merece o nosso prestígio!

 

Candidata à direção do FMI quer apoio do Brasil

Durante um encontro com dirigentes franceses que participei nesta semana, tive a oportunidade de conhecer Christine Lagarde, atual ministra de finanças da França, e candidata ao cargo de diretor-geral do FMI.

Seu nome, até o momento, é o mais cotado nas análises internacionais. E ela aproveitou a visita da comitiva do Estado do Rio a seu país para tentar se aproximar do Brasil. No evento, Lagarde deu total apoio para que a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) empreste ao Rio de Janeiro R$ 650 milhões de euros já solicitados pelo governo do estado. O dinheiro será utilizado na Linha 4 do metrô e na melhoria do serviço das Barcas.

A candidata afirmou, ainda, que visitará o Brasil a partir da segunda-feira em campanha para conquistar o apoio dos países que compõe a BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Christine Lagarde se comprometeu a dar mais reconhecimento à expressão das novas potências no órgão internacional.

Viagem à França – relatos dos primeiros dias

A viagem está muita cansativa. Saímos na noite de terça do Rio e quase não dormi no vôo. Ao chegar em Paris, pegamos um vôo para Renes na hora do almoço e a Air France deu apenas um biscoitinho para matar a fome. Levamos mais 1h de viagem até Saint Malo onde fomos conhecer uma bela escola de pesca, o Liceu Marítimo.

Depois que chegamos no hotel, por volta de 20h (em pleno sol), tivemos 15 minutos para tomarmos banho. Em seguida, saímos para conhecer a cidade. Uma linda cidade cercadas por muralhas medievais. Ela foi toda reconstruída depois da 2ª Guerra. Às 21h fomos almoçar/jantar com a vice presidente de assuntos do mar da Região da Bretanha (tipo uma Secretaria de Estado para Assuntos do Mar). O Sol se pôs às 21:30h.

Fomos dormir à 1h da manhã. Mas tivemos que acordar às 6h (1h da manhã no Brasil), pois nossa agenda começava às 7h. Fomos conhecer o Polo do Mar em Brest (3h de viagem de onde estávamos). Uma bela experiência de centro de pesquisa e formação profissional na Região com sinergia entre empresas e Estado. Depois tivemos um belo almoço com autoridades de Brest e fomos conhecer o Instituto Francês de Assuntos do Mar. Um fantástico complexo de pesquisa. Só vendo para acreditar. Depois fomos conhecer uma empresa de tecnologia de sondas e radares para exploração de petróleo e pesca.

Depois nos deslocamos para Loriet às 21h. Lá, tivemos só 20 minutos para chegar no hotel, tomar banho e sair para um jantar com diversas autoridades locais e regionais, além de empresários do setor da pesca e construção de submarinos. Por volta de 0h, fomos conhecer o porto de pescados de Loriet. Apesar do frio na beira do mar e nos frigoríficos, tivemos a oportunidade de conhecer uma belo exemplo de estrutura de apoio a pesca. Chegamos às 2h no hotel.

Hoje, já tive que acordar bem cedo novamente. Não sobra tempo para nada! É uma agenda atrás da outra. A viagem é bem puxada, mas esta sendo uma ótima experiência para conhecer o que existe de melhor no mundo.

Abraços a todos.

Empregando esforços pela atividade pesqueira do Rio

A viagem que faço agora a noite para França será fundamental para o planejamento da atividade pesqueira do Rio de Janeiro. A ideia surgiu após uma visita de uma comitiva francesa da região de Provence-Alpes- Côtes d’Azur (PACA) mês passado ao Estado.

Essa região tem muitas similaridades com o Rio no que diz respeito aos investimentos marítimos como atividades portuárias, construção naval e a aquicultura. Além disso, a França está em primeiro lugar no cultivo de mexilhões e em segundo na produção aquícola da União Européia.

Por tudo isso, é muito interessante estabelecer uma relação de cooperação para trazer a tecnologia francesa para o território fluminense.

O Rio tem um potencial enorme para a pesca, mas está sendo subaproveitado. Já fomos líderes nesse setor um dia e permitimos ser passados por Santa Catarina que está com sua atividade pesqueira muito bem organizada.

Devemos recuperar o nosso espaço no mercado nacional e, para isso, vamos priorizar a logística e a tecnologia. Esta será a estratégia para atrair as indústrias de beneficiamento de volta para o Estado e oferecer mais oportunidades para o pescador fluminense.

Em missão pela atividade pesca do Rio

Esta semana estarei em viagem pela França junto com uma delegação do Estado do Rio para conhecer projetos relativos às atividades pesqueira e naval deste país. O intercâmbio é importante, porque permite ver experiências bem sucedidas, obter informações em pesquisa e tecnologia, fechar parcerias e buscar investimentos.

França possui a prática da aquicultura bastante desenvolvida e queremos fomentar essa atividade aqui no Rio. Ela tem caráter sustentável, é lucrativa e é uma oportunidade para os pescadores que precisam respeitar o período de defeso ou que estão sendo afetados pela industrialização no Estado.

Vou a Brest visitar o Instituto Francês de Pesquisa e Exploração do Mar, o Pólo Mar da cidade, onde são realizadas atividades ligadas ao setor petroleiro e náutico, e também o Instituto Carnot Edrome que promove a exploração sustentável dos recursos minerais e energéticos do mar.

Em Toulon, conhecerei outro Pólo Mar, relativo à construção e projeção de instrumentos voltados para atividade marinha, e outra unidade do Instituto Francês de Pesquisa e Exploração do Mar onde são desenvolvidos projetos ligados a tecnologia marinha.

Além disso, vou ao Porto de Pesca de Keroman, ao Porto de Marselha, e estarei com empresários do ramo da pesca sustentável e com representantes dos setores da pesca e do meio ambiente.