Investimentos para a Linha 3 do Metrô

A Presidenta virá ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, no próximo dia 11, para oficializar a liberação da verba para a implantação da Linha 3 do Metrô.

Serão investidos R$ 2,7 bilhões na infraestrutura que ligará Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, em 14 estações, ao longo de 22 km, sendo 17,7 km por viadutos e os 4,3 km restantes em superfície. A estimativa é que sejam transportadas, em média, cerca de 700 mil pessoas por dia.

Com a Linha 3 continuaremos a receber o fluxo daqueles que se dirigem ao Rio, mas de forma mais organizada e com menos impacto no trânsito do Centro de Niterói. Será o maior projeto de integração do país e o primeiro a incluir um terminal aquaviário, por onde circularão aproximadamente 600 mil passageiros/dia.

Desde o meu primeiro mandato de vereador, em 2001, quando já defendia a questão da mobilidade urbana sustentável e o transporte público como prioridades, acompanho o desdobramento desse projeto. Nessa mesma época presidi a Comissão Especial que discutiu e fez importantes mudanças no projeto como a manutenção do trecho Arariboia X Carioca, por exemplo.

Estou confiante que, agora, a obra irá definitivamente sair do papel.

Linha 3 do Metrô sairá do papel

Na terça-feira (12), o governo federal anunciou a liberação dos recursos para a implantação da Linha 3 do Metrô, que vai ligar Niterói a São Gonçalo. Esse é um projeto antigo no qual estou envolvido desde 2001, quando já defendia a questão da mobilidade urbana sustentável e o transporte público como prioridades. O empréstimo de R$ 3,6 bilhões faz parte do Programa de Melhoria da Infraestrutura Rodoviária e Urbana e da Mobilidade das Cidades do Estado do Rio (Pró-Cidades). Com o metrô serão investidos R$ 200 milhões.

A Linha 3 começa na estação Araribóia, que ficará onde hoje se encontra o terminal das barcas, e seguirá um trecho de 22 quilômetros, ligado por 14 estações. O projeto inclui um estacionamento e garagem para pequenos atendimentos e reparos, no Barreto, e um centro de manutenção, em Guaxindiba. O projeto vai compor o Caminho Niemeyer.

Com o metrô, continuaremos a receber o fluxo daqueles que se dirigem ao Rio, mas de uma forma mais organizada e com um impacto menor no trânsito do centro de Niterói. Por isso também será investido na aquisição de novas embarcações. As que hoje fazem a linha Rio- Niterói vão para Ribeira/Paquetá/Cocotá e as velhas serão vendidas.

Será construído um terminal intermodal, integrando os sistemas de metrô, barcas e ônibus municipais e intermunicipais. Circularão cerca de 600 mil passageiros por dia. Niterói também vai ganhar uma nova ciclovia ligando o bairro do Barreto a Gragoatá, com aproximados 8 quilômetros de extensão. Esta será a maior integração intermodal do país e a primeira a incluir um terminal aquaviário.

Também em 2001, durante meu primeiro mandato, presidi a comissão especial que discutiu e fez mudanças importantes no projeto, como a manutenção do trecho Araribóia x Carioca, que não será licitado agora, mas, futuramente, também fará parte dessa integração, sem excluir a ideia do túnel pela Baia de Guanabara.

Realizado pela secretaria estadual de Obras no âmbito do PAC 2, o metrô será responsável pela integração dos dois municípios, com possível extensão até Itaboraí, onde está sendo construído o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Em um mês, será lançada a modelagem do edital para a construção da Linha 3. Em outubro, o edital será lançado, e a previsão é que em janeiro de 2013 as obras possam ser iniciadas.

Estado confirma obras do Metrô

O Governo do Estado lançou nova notícia hoje, ratificando sua disposição para a construção do metrô Linha 3. Este projeto é um sonho antigo da qual estou envolvido desde 2001. Nessa época, já defendia a questão da mobilidade urbana sustentável com o transporte público como ator principal.

No caso da Linha 3, este projeto visa a integração da Região Leste Fluminense.  O trânsito e o transporte desta região estão diretamente interligados e um investimento desse porte vai permitir uma nova relação entre seus habitantes e o transporte público.

Nesse contexto, Niterói está como a cidade referência. Ela vem se consolidando como um município fornecedor de serviços públicos e privados para toda região numa alternativa ao Rio de Janeiro. Milhares de pessoas chegam à cidade para fazer negócios, resolver problemas ou simplesmente consumir.

Niterói também é o ponto de ligação entre o Leste Fluminense e a capital do Estado. Com o metrô, continuaremos a receber o fluxo daqueles que se dirigem ao Rio, mas de uma forma mais organizada e com um impacto menor no trânsito do centro de Niterói. Haverá uma probabilidade maior de pessoas circulando e consumindo em nossa cidade e facilitar o acesso dos niteroienses à Região Leste. Nós que sempre vivemos em função do Rio de Janeiro, temos, com o Comperj, uma alternativa de trabalho e investimento na região.

Em relação à capacidade das Barcas, o projeto prevê a construção de uma nova estação, mais moderna, ao lado do Terminal Rodoviário João Goulart e do metrô, integrando, assim, todos os transportes públicos de massa.

O Estado está comprando nove barcas novas com ar condicionado e capacidade para 2000 passageiros cada uma. Sete embarcações farão a linha Rio x Niterói com saída a cada 5 minutos da nova estação e duas ficarão na reserva. As barcas que hoje fazem a linha Rio Niterói vão para Ribeira/Paquetá/Cocotá e as velhas serão vendidas.

Isso vai resolver por algum tempo a ligação entre Rio e Niterói. Ainda defendo o projeto do metrô atravessando a Baía de Guanabara. Contudo não será possível realizá-lo neste momento. Ficará para uma segunda etapa.

Maquete eletrônica do metrô Linha 3

Esta é a maquete eletrônica da Linha 3 do metrô produzida pela Secretaria de Transportes. Ela já se encontra no YouTube e, agora, ficará hospedada aqui no blog.  O governo estadual aguarda apenas a liberação do edital pelo Tribunal de Contas da União para começar as obras. A previsão é de que sejam iniciadas no final deste ano e concluídas em 2014. Falta pouco para este antigo sonho sair do papel.

Segue a descrição do vídeo:

Veja como vai ficar o metrô Linha 3, que ligará a Praça Araribóia, no Centro de Niterói, a Guaxindiba, em São Gonçalo. A via terá 23 quilômetros de extensão de vias elevadas. Durante as obras, serão gerados 1.600 empregos diretos, 6 mil empregos indiretos, além da contratação de 600 funcionários para a operação. Além de atender a uma demanda prevista de 350 mil pessoas por dia, a Linha 3 será fundamental para o fluxo dos funcionários do Comperj. Fonte: Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro

Linha 3 do Metrô pro trânsito não parar de vez

Sempre que vou ao Rio de Janeiro posso observar de perto como se comporta o trânsito que liga Niterói à capital estadual. Em poucas palavras posso dizer que ir de carro ao Rio pode atrasar meus compromissos.

Os problemas de trânsito de São Gonçalo têm reflexo direto em Niterói e vice-versa. Ou seja, é preciso ter integração entre as políticas públicas voltadas para o transporte da Região Metropolitana.

É preciso avaliar a questão da mobilidade urbana como um todo. Os problemas de um município não se resolvem sozinhos, precisam ser solucionados em articulação com as cidades vizinhas. O trânsito e o transporte desta Região estão diretamente interligados.

Por isso vou continuar minha luta, iniciada em 2001, pela linha 3 do metrô, que ligará o Rio/Niterói/São Gonçalo/Itaboraí.
Defendo a implantação urgente da linha 3 e acredito que para atender a demanda é preciso que haja integração com os sistemas de transportes das cidades atingidas.