Histórias da Ponta d’Areia no II Pedal Cultural

Hoje realizamos mais uma edição de sucesso do nosso Pedal Cultural, projeto de cicloturismo que a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca lançou em janeiro e que deu certo!

O Pedal Cultural nasceu como uma frente especial de cicloturismo para aliar lazer, esporte e cultura. Uma ação que visa a mobilidade urbana, incentivando o uso das bikes num país onde a cultura de progresso ainda é ter carro.

Nessa segunda edição, o circuito de bike com paradas pelos principais pontos históricos e turísticos de Niterói aconteceu na Ponta d’Areia. Um cantinho especial de Niterói com boas histórias pra contar.

Dentre as muitas histórias, por exemplo, a Ponta da Areia abrigou em 1583 a primeira armação (porto destinado à caça e processamento dos produtos das baleias) da Capitania.

Ou ainda o porto baleeiro que ajuda, por exemplo, a explicar o povoamento do Morro da Penha por negros que trabalhavam na armação (hoje a base militar naval) e, com a abolição da escravatura, se tornaram operários do estaleiro do Barão de Mauá.

O Pedal Cultural acontece no último domingo de cada mês, em diferentes áreas da cidade e até em outros municípios do estado, com roteiros programados para revelar importantes aspectos que muitas vezes passam despercebidos no nosso dia a dia.

Quero aqui fazer um agradecimento especial aos historiadores Marcos Vinícius Varella e Rubens Carrilho. E, claro, aos mais de 100 inscritos que pedalaram juntos, num só objetivo, e garantiram o sucesso de mais este Pedal Cultural.

E que venha a próxima edição!

O sucesso do nosso primeiro Pedal Cultural

Fico feliz com o sucesso do Pedal Cultural, projeto de cicloturismo que a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap) realizou neste domingo (26) e reuniu amantes das bikes num passeio guiado pelos principais pontos históricos e turísticos do Centro de Niterói.

Partindo da Praça da Cantareira, o grupo seguiu em direção ao prédio dos Correios, Paço Municipal, Casa Norival de Freitas, Câmara dos Vereadores, Praça da República, Fórum, Igreja Nossa Senhora da Conceição, Palácio Arariboia e Teatro Municipal João Caetano.

O Pedal Cultural vai explorar uma região a cada mês, com roteiros programados para revelar importantes aspectos que muitas vezes passam despercebidos no nosso cotidiano. Unindo o útil ao agradável, o projeto busca também vencer o desafio de incorporar o uso das magrelas num país onde a cultura de progresso ainda é ter carro.

Niterói é uma cidade plana e fácil locomoção para bicicleta, o que permite desbravar pontos turísticos com paradas para contar a história do lugar. E, ao mesmo tempo, aproveitar as belezas naturais que temos e estimular o uso das bicicletas também como transporte.

Foi justamente essa discussão que me motivou a criar, quando fui vereador de Niterói, o Estatuto da Bicicleta. Pedalar é um hábito saudável que está conquistando cada vez mais adeptos. E não se pode esquecer que o Código Brasileiro de Transito já dispõe de normas para o transito compartilhado de bicicletas e veículos motorizados.

O cicloturismo é uma maneira saudável, econômica e socialmente responsável de se aventurar. Além de ser uma prática que está ganhando cada vez mais adeptos no mundo, que funciona como um meio de desenvolvimento da cultura e incremento do turismo local.

E quem pedala sabe que a bicicleta é capaz de causar uma ligação única com as pessoas. A bagagem cultural adquirida durante uma viagem sobre duas rodas é o que fica de mais marcante. Exercita o corpo e desenvolve a mente. Obrigado a todos que curtiram o Pedal Cultural. Até a próxima edição!

Vamos praticar o cicloturismo!

No próximo domingo, dia 26, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap) vai lançar o Pedal Cultural, projeto de cicloturismo com visita guiada por pontos históricos, turísticos, culturais e ambientais de Niterói.

Começando pelo Centro da cidade, o roteiro inclui o prédio dos Correios, o Paço Municipal, a Casa Norival de Feitas, a Câmara dos Vereadores, a Praça da República, o Fórum, a Igreja Nossa Senhora da Conceição, o Palácio Arariboia e o Teatro Municipal João Caetano.

Não faz muito tempo, o hábito de pedalar no Brasil era algo pouco comum. Mas hoje, segundo uma pesquisa encomendada pela Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike), o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking mundial de produtores de bicicletas, sendo o quinto maior consumidor do mundo.

Pode parecer muito, e é. No entanto, se levarmos em conta que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) possui normas de conduta para o tráfego compartilhado de veículos motorizados e bicicletas, devemos persistir em ações que estimulem ainda mais a sua utilização. Eu mesmo sempre fiz essa cobrança.

Uma discussão que iniciei quando fui vereador de Niterói e busquei garantir quando elaborei o Estatuto da Bicicleta. Pedalar é um hábito saudável, que está conquistando cada vez mais adeptos, além de ser um modo de vida muito mais prático. E ações que incentivem o uso das bikes são muito importantes.

A decisão de começar o cicloturismo por Niterói se dá porque nossa cidade é plana de fácil locomoção, ideal para o uso das magrelas que permite desbravar pontos turísticos com paradas para contar a história do município. Tudo isso aproveitando as belezas naturais que temos, tendo a bicicleta como transporte.

Unindo o útil ao agradável, o projeto busca também vencer o desafio de incorporar o uso de bikes no dia a dia de um país onde a cultura de progresso ainda é ter carro. O Pedal Cultural vai explorar uma região a cada mês, com roteiros programados para revelar importantes aspectos que muitas vezes passam despercebidos em áreas do cotidiano das pessoas.

A concentração do Pedal Cultural será às 8h na Praça Leoni Ramos, na Cantareira. Os interessados em participar devem fazer a inscrição doando uma lata de leite em pó, tendo direito a sorteio de brindes. Exercite o corpo e desenvolva a mente. Vamos praticar o cicloturismo!