Vem aí o 4º Festival Gastronomia do Mar

Começa no próximo sábado, dia 23, a 4ª edição do Festival Gastronomia do Mar, realizado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (a Sedrap), que é sucesso absoluto em Niterói e presença certa no calendário de eventos da cidade.

Além dos 70 restaurantes de Niterói e do Rio que estarão no circuito gastronômico e dos palcos gourmets montados no Mercado de Peixe São Pedro, na Rua Nóbrega (Jardim Icaraí) e na Praia de Copacabana, a novidade, esse ano, fica por conta da Orla Gourmet, em São Francisco.

Fico muito feliz pela boa aceitação do Gastronomia em Niterói. Um projeto que nasceu aqui, pela vocação histórica e natural que temos, com o objetivo de informar sobre a importância do peixe na nossa refeição diária e cultivar a cultura do consumo de pescado no estado.

E o aumento no consumo do pescado faz o comerciante vender mais e gerar mais emprego, enquanto o pescador pode cobrar um preço mais justo pelo produto. E o que se busca é exatamente isso, a valorização do pescador e o fomento da cadeia produtiva de pesca.

Não há como negar a vocação que Niterói tem com o mar. Dois terços do seu território estão voltados para a água. E os principais órgãos de pesca estão na cidade: a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), a Federação dos Pescadores do Estado do Rio de Janeiro (Feperj), e o Sindicato dos Armadores de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Saperj).

E, claro, o Mercado São Pedro. O maior centro de venda de pescado do Rio. Por semana, são comercializadas cerca de 60 toneladas de peixes. O mercado é também um ponto turístico. É muito comum encontrar pessoas do Rio comprando peixe fresco ou almoçando nos restaurantes.

O 4º Gastronomia do Mar acontece de 23 a 31 de agosto. A programação completa, e outras informações,  estão na página oficial do evento. Bom festival a todos!

‘A maré está para peixe’

Quero aproveitar esse espaço do blog para repercutir um artigo muito interessante publicado no Estadão nessa última quarta, dia 29, sobre o aumento do cosumo de peixes no Brasil. Uma das razões seria a procura da população por alimentos mais saudáveis. E isso motiva políticas de governo que pretendem ampliar a produção do pescado em 600 mil toneladas por ano.

O consumo de pescado realmente está maior e a produção também. Isso se confirma com dados divulgados pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) que mostram a expansão recorrente da demanda, atualmente em 14, 5 quilos por brasileiro. Muito mais que em 2005, quando eram pouco mais de 4 quilos por brasileiro. O setor de pescado vive um bom momento. E tende a crescer em 2014.

Apesar da forte concorrência com a importação, que gerou uma balança comercial desfavorável de mais de R$ 1 bilhão em 2013, há espaço para a profissionalização e a expansão da aquicultura. E mesmo sendo algo tão antigo, a produção de pescado tem passado por diversas mudanças. Principalmente por conta de uma leva de licitações que o Governo Federal tem feito em represas de hidrelétricas.

Isso está tirando uma série de empresários da ilegalidade. Bom exemplo é o caso de um produtor de São Paulo, que há dez anos mantinha uma criação irregular de tilápia no reservatório de uma usina hidrelétrica na divisa com Mato Grosso do Sul. Com a nova linha de licitações, ele investiu R$ 3 milhões para a produção de pescados em quatro hectares do mesmo reservatório, só que do lado sul mato-grossense.

Isso comprometeu R$ 116 mil do seu orçamento, a serem pagos em 20 anos. Mas a expectativa é faturar R$ 5 milhões por ano, produzindo 100 toneladas de peixe. E com os outros dez hectares que aguardam a definição da licitação no lado paulista, espera incrementar essa produção para 1,8 mil toneladas ao ano. Há muito espaço pra crescer. Um crescimento e tanto.

Já no comércio, quem se dedicar à venda do produto para o cliente final vai ter que buscar inovações. É o que afirma o pesquisador do Instituto da Pesca (IP), João Scorvo Filho. Foi o que fez a empreendedora Letícia Simões, que há dois anos e meio teve a ideia de montar um estabelecimento tipo um empório, com pescados limpos e frescos, tanto importados quanto nacionais.

Não é todo mundo que tem tempo de comprar peixe fresco. E, mesmo fresco, se congelar em casa, perde a qualidade. Letícia investiu R$ 400 mil na empreitada, e faturou R$ 600 mil em 2013. E pensa em expandir por outras praças. O consumo do pescado é recomendado por médicos e nutricionistas. Incluir o pescado na refeição diária é uma ótima pedida. E sabendo investir no setor, pode dar muito certo.

Brasileiros estão perto de alcançar a meta estabelecida pela OMS de consumo do pescado

Uma recente pesquisa do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) revelou que os brasileiros estão cada vez mais perto da média de consumo de peixe recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMC). Bom para quem consome e para o comércio, principalmente quem vive da pesca artesanal.

12 quilos por pessoa, por ano, é a meta estabelecida. E em dois anos, a demanda pela procura de peixes e frutos do mar aumentou 23,7%. Esse aumento está relacionado, segundo o secretário de Infraestrutura e Fomento do MPA, Eloy Araújo, à melhoria da condição de vida dos brasileiros. Com isso, a procura por alimentos mais saudáveis tem sido constante, e o peixe é uma excelente escolha.

Outro dado interessante é que o governo tem incentivado a criação de peixes em cativeiro para dar suporte a essa demanda. A intenção é, também, diminuir o valor de importação do alimento na balança comercial. Cerca de 700 hectares de áreas em domínio da União produzem mais de 200 mil toneladas de peixes, ostras e mexilhões por ano.

Essas áreas estão localizadas em reservatórios de hidrelétricas e ambientes marinhos nos Estados de São Paulo, Tocantins, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Paraná e Rio de Janeiro. A aquicultura, que é o cultivo de pescado em águia doce ou salgada, é um dos segmentos que mais cresce no mundo.

A atividade gera um PIB pesqueiro nacional de R$ 5 bilhões, mobiliza mais de 800 profissionais e proporciona 3, 5 milhões de empregos diretos e indiretos. A meta do MPA é incentivar essa produção para que, até 2030, o Brasil se torne um dos maiores países produtores de pescado do mundo.

Inúmeros são os benefícios que a carne do peixe proporciona no combate e prevenção de diversas doenças. Por isso, seu consumo é tão recomendado por médicos e nutricionistas. Além, claro, de contribuir para uma alimentação mais equilibrada e saudável. Incluir o pescado na refeição diária é uma ótima pedida.

Novo avanço no projeto Cidade da Pesca

Ontem me reuni novamente com o prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulin, para falarmos sobre os avanços no projeto Cidade da Pesca, proposta da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, que pretende impulsionar a atividade pesqueira no Estado.

Junto com a equipe da Secretaria de Meio Ambiente do município, revimos todo o estudo da Ilha de Itaoca, em São Gonçalo, onde pretendemos instalar um Terminal Público Pesqueiro e um Condomínio Industrial ligado à pesca. São 8,5 km² e o empreendimento vai ocupar uma área de 800 mil m².

Depois de conversar com o governador Sergio Cabral conseguimos, agora, a autorização do processo de desapropriação dessa área para que, futuramente, possam funcionar ali as cooperativas e as indústrias de processamento de pescado.

E inúmeras empresas já demonstraram interesse em investir no local. Até abril está previsto para já termos todos os terrenos desapropriados e o projeto já devidamente consolidado. A nossa intenção é fazer, deste, um lugar privilegiado para o pescador.

A Cidade da Pesca vai viabilizar cerca de 10 mil empregos na região. Nosso empenho em tirar esse projeto do papel é certo. O litoral do Rio de Janeiro tem um grande potencial produtivo e precisamos investir na reativação econômica da pesca no Estado.

1º Festival de Gastronomia do Mar de Niterói e a importância dos festivais gastronômicos

O 1º Festival de Gastronomia do Mar de Niterói encerrou o calendário eventos de 2011 da Secretaria de Desenvolvimento Regional. Este ano apoiamos e participamos de diversas realizações como a Festa do Peixe de Angra, o Festival da Tilápia de Barra do Piraí e o Festival da Truta de Friburgo.

Para o próximo ano, pretendemos contribuir com o Festival de Frutos do Mar de Rio das Ostras e já estamos conversando com o município para incluí-lo em nossa programação.

O principal objetivo das festas e festivais é a difusão do consumo do pescado entre a população. Ao mesmo tempo em que ofertamos um alimento saudável e gostoso para as pessoas, também estamos fomentando a cadeia produtiva da pesca.

O aumento no consumo do pescado faz o comerciante vender mais e gerar mais emprego, enquanto o pescador pode cobrar um preço mais justo pelo produto. E buscamos exatamente isso, a valorização do pescador em nosso estado.

Fico feliz com a boa aceitação do Festival em Niterói e garanto que este foi apenas o primeiro de muitos. Os esforços agora são para incluir o evento no calendário oficial da cidade. Existe um projeto de lei do vereador Rodrigo Farah, buscando essa regulamentação.

Ademais, gostaria muito de agradecer a todos que ajudaram a produzir o 1º Festival de Gastronomia do Mar de Niterói, entre eles os integrantes da Fiperj e da própria Secretaria de Desenvolvimento Regional que deram o seu máximo. À C Comunicação pela logística da produção e organização. Aos nossos patrocinadores: Ponte SA e Águas de Niterói. Aos artistas que customizaram as esculturas que ficaram espalhadas pela cidade e, em breve, serão leiloadas (com dinheiro revertido para o Projeto Grael que também possui ligação estreita com o mar). Aos restaurantes que abraçaram com entusiasmo a proposta. E à Prefeitura de Niterói pelo apoio.

Gostaria de fazer também um agradecimento ao governador Sérgio Cabral e o vice Pezão por acreditarem nesse projeto. Assim como ao ministro Luiz Sérgio por comparecer à abertura e ser um grande parceiro na recuperação do setor pesqueiro do Estado do Rio de Janeiro.

Desde o início do ano, a Secretaria de Desenvolvimento Regional e a Fiperj estabeleceram diversos convênios com o Ministério da Pesca. E agora que temos um ministro natural do Rio e que entende as necessidades do nosso estado, vamos trabalhar com a meta de superar Santa Catariana e nos tornarmos novamente o nº 1 na produção de pescado do país.

Por fim, o meu muito obrigado especial a todos que compareceram à abertura do festival no dia 3 ou frequentaram os restaurantes nesses nove dias. Vocês são os maiores beneficiados pelo consumo dos frutos do mar. E são vocês os maiores incentivadores para o crescimento do Estado do Rio.

Participe do 1º Festival de Gastronomia do Mar de Niterói

É com muita alegria que convido a todos para o 1º Festival de Gastronomia do Mar de Niterói. A abertura do evento será no dia 3 de dezembro, às 10h, no Mercado São Pedro, com entrada gratuita. Durante nove dias, será possível desfrutar dos pratos criados especialmente pelos diversos restaurantes participantes.

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional está empenhada em consolidar a cadeia consumidora de pescado no Estado do Rio e uma forma de divulgar os produtos produzidos aqui são os festivais gastronômicos.

E Niterói não podia ficar de fora. A cidade tem toda uma história de relação com o mar. Dois terços do seu território estão voltados para água. As principais entidades de pesca estão na cidade: Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), Federação dos Pescadores do Estado do Rio de Janeiro (Feperj), Sindicato dos Armadores de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Saerj). O terminal pesqueiro está sendo construído no município. A mão de obra pesqueira está em Niterói e São Gonçalo.

Outro bom exemplo da vocação pesqueira da cidade é o Mercado São Pedro. O local é o maior centro de venda de pescado do Rio. Por semana, são comercializadas cerca de 60 toneladas de peixes. O mercado é também um ponto turístico. É muito comum encontrar pessoas do Rio comprando peixe fresco ou almoçando nos restaurantes que funcionam lá.

Além disso, são diversos os bares e restaurantes especializados e concorridos espalhados pela cidade, boa parte deles presentes no festival.

Não há como negar, Niterói tem uma vocação com o mar. E, agora, vamos consagrá-la como referência gastronômica especializada em pescado e frutos do mar. Venha nadar nessa gastronomia você também!