Calçadão de Piratininga: corrigindo matéria publicada

Ontem, o jornal O Fluminense publicou uma reportagem sobre o conteúdo de um relatório elaborado pelo geólogo e diretor do Conselho Comunitário da Região Oceânica (CCRON), Josué Barroso, e encaminhado por mim à EMUSA com sugestões para os efeitos das ressacas que atingem o calçadão de Piratininga.

Diferentemente do que foi dito na reportagem, este documento não é um estudo conclusivo. O que foi apresentado foram propostas para evitar que ocorram novas destruições ao calçadão provocadas pelo mesmo problema: o impacto das ondas.

Depois do que aconteceu, seria um erro refazer as obras em Piratininga sem considerar o aspecto ambiental daquela área e encontrar uma forma de minimizar a força das ondas sobre a praia.

O texto cita duas possibilidades: a utilização de areia das obras que ocorrem no bairro ou da dragagem das lagoas, compatíveis com a areia da praia, para ampliar a faixa de areia da orla e produzir o recife artificial.

A Emusa respondeu que além destas, vai analisar também outras sugestões. Independentemente disso, já estou correndo atrás para elaborar um estudo mais profundo sobre a biologia marinha da região a fim de identificar a dinâmica das ondas e quais os impactos de uma intervenção no fundo do mar.

Com tanta tecnologia disponível hoje no mundo, certamente deve haver uma possibilidade de agirmos preventivamente, sem agredir a natureza e evitarmos mais destruição.

Boas Notícias para Niterói (parte 2)

Continuando com as novidades, o vice-governador Pezão também pediu o Projeto Charitas X Piratininga para tentar incluí-lo no PAC Mobilidade do Governo Federal.

A parceria entre os governos Federal, Estadual e Municipal poderá ser a solução para o entrave à construção do túnel que prevê desafogar o trânsito entre o Centro e a Região Oceânica. A abertura do túnel também foi incluída no Projeto Lerner como provável rota dos ônibus de integração.

Entretando, existe uma limitação para sua inclusão no PAC da Mobilidade. O Programa visa atender cidades com população superior a 700 mil habitantes. Mas, Niterói possui cerca de 487 mil moradores. Mesmo assim, Pezão ficou de ver como poderia encaminhar isso. Vamos torcer!