O Banco de Alimentos da Ceasa é um dos muitos exemplos que podem fazer a diferença no combate ao desperdício alimentar no estado

A edição do Globo Repórter da última sexta, dia 02, apresentou uma matéria especial sobre o desperdício de comida no Brasil. Um desperdício que poderia alimentar 840 milhões de pessoas que passam fome no mundo e gera um prejuízo de quase R$ 2 trilhões na economia mundial.

Mais da metade desse desperdício não chega à mesa do consumidor porque se perde antes mesmo de entrar nos mercados. São produtos mal armazenados, manipulados da maneira errada. Isso mostra o quanto é importante, sim, mudar a forma de tratarmos os alimentos.

E foi justamente com a finalidade de dar um destino correto para o resíduo orgânico gerado pela Ceasa-RJ que a Central de Abastecimento passou a desenvolver o programa Banco de Alimentos, de combate ao desperdício alimentar e à fome, criado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (a Sedrap).

Todos os dias, a equipe do Banco de Alimentos sai a campo, indo de pavilhão em pavilhão, de box em box, para buscar com produtores e comerciantes, doações de alimentos que não estão em condições ideais de comercialização, mas que podem ser consumidos.

Depois da arrecadados, esses alimentos passam pelo processo de seleção para, finalmente serem embalados. Os que estão em perfeitas condições de consumo tem destino certo: mais de 120 instituições cadastradas em todo o estado e mais de 10 mil famílias de nove comunidades pacificadas são beneficiadas.

Jogamos fora 1,3 bilhão de toneladas de alimentos, por ano. Um terço de toda a produção de alimentos do mundo inteiro. Existe comida suficiente para alimentar toda a população do planeta, mas o combate ao desperdício precisa avançar. E muito! O Banco de Alimentos é apenas um dos muitos exemplos de iniciativas simples, mas que podem fazer toda a diferença nesse processo.

Evitar o desperdício é, antes de tudo, uma questão de consciência e atitude.

Niterói em alta na mídia

Seja no cinema, na TV ou na internet, Niterói vem servindo de cenário para um número cada vez maior de projetos audiovisuais. Bom exemplo é o destaque mais recente das telonas brasileiras, o filme Minha mãe é uma peça, protagonizado pelo ator niteroiense Paulo Gustavo, que levou nada menos que 4,6 milhões de pessoas às salas de cinema este ano e provou que nossa cidade pode ser inspiração para qualquer produção de sucesso.

Bom exemplo também é a web série De repente, amor!, produzida exclusivamente para a internet, com o intuito de mostrar a rotina de Niterói que as pessoas estão acostumadas a ver, tendo como locação os bairros de Boa Viagem, Icaraí e Itacoatiara. Até a semana passada, os seis episódios colocados na rede já contabilizavam mais de cinco mil visualizações. O último da temporada será exibido no dia 4 de janeiro.

Outro projeto que tem Niterói como cenário é o canal de humor Vamo que vamo, disponível no youtube, criado por quatro atores niteroienses. O canal tem dois mil espectadores inscritos e os 15 vídeos já exibidos somam mais de cem mil visualizações. Inclusive, o programa exibe uma série chamada Jeitinho de Nikity que brinca com o cotidiano e as peculiaridades da cidade de um jeito único.

Há ainda um projeto em fase de conclusão de curta-metragem do cineasta Paulo Ballard, sobre a história de Niterói. Do lado de cá mostra, de forma bem humorada, situações das mais diversas vividas pelos moradores e mostra que nossa cidade tem muito a oferecer em entretenimento. O lançamento está previsto para março.

Fico feliz pelo espaço que Niterói está conquistando na mídia. Nossa cidade tem uma paisagem tão inspiradora como qualquer outra e merece essa notoriedade. Sem falar, que ganhamos com o turismo local. Niterói tem uma bela história que merece ser contada. E prestigiada.