A primeira das nove novas barcas

Em março do ano passado, publiquei aqui um artigo sobre um importante investimento do Governo do Estado para somar na mobilidade. Falava da aquisição de nove novas barcas. Sete delas estão sendo construídas pela empresa China Shipping Group, e as outras são do estaleiro cearense Inace.

A boa notícia é que a primeira desse lote nacional já passou pelo primeiro teste no mar e caminha para a finalização da montagem. Com 70% da sua estrutura pronta, ela deve entrar em circulação em março do ano que vem.

A segunda fabricada no Brasil também está em fase de montagem, com previsão de entrega para agosto de 2015. As duas vão atender passageiros no trajeto Mangaratiba-Ilha Grande-Angra dos Reis. Modernas e mais confortáveis, as duas embarcações nacionais beneficiarão mil passageiros por hora.

Entre as sete da produção chinesa, a primeira deve chegar ao Rio no fim do ano, reforçando a linha Praça XV-Araribóia. Com capacidade para transportar 2 mil passageiros cada uma, elas terão ar-condicionado, janelas panorâmicas e dois andares: um destinado ao embarque e outro, ao desembarque. E mais: idosos e deficientes vão contar com entradas especiais nas laterais.

E em 2015, confirmando o prazo previsto para a entrega, todas as nove embarcações estarão integradas à frota da CCR Barcas. Estamos falando de um investimento da ordem de R$ 273 milhões, que possibilitará dobrar a quantidade de passageiros transportados nos horários de pico em cada sentido, saltando de 12,8 mil para 24 mil passageiros.

Em um segundo momento, serão adquiridos da China mais quatro novos catamarãs para integrar as linhas de Paquetá e Cocotá, cada um deles com capacidade para 500 lugares. Para o Governo, a parceria com a China é muito importante, uma vez que nas concorrências públicas o país oferece mais qualidade, preço e prazo. Além disso, essas embarcações são 70% mais eficientes energeticamente. Um exemplo é um dos modelos movido a gás, o que reduz a poluição a zero. Essa nova aquisição é parte de uma série de investimentos em curso no sistema, assim como a modernização e ampliação das estações de embarque, processo já bastante avançado.

Essas novidades visam solucionar alguns dos problemas que mais afligem os passageiros, como a superlotação das embarcações e a demora no tempo de espera entre as travessias, principalmente nas horas de maior movimento. O transporte por barcas é a melhor alternativa para quem precisa transitar entre Rio e Niterói. E como usuário das barcas, também espero por melhorias.

Novas barcas para a travessia Rio-Niterói

Semana passada, o Governo do Estado adquiriu mais nove barcas para a travessia Rio-Niterói. Sete delas são da empresa chinesa Afai Sothern Shipyard, com dois mil lugares, e as outras duas do estaleiro cearense Inace, com capacidade para 500 passageiros. Essas embarcações devem entrar em operação daqui a dois anos.

Para o Governo, essa parceria com a China é importante já que nas concorrências públicas, o país oferece mais qualidade, preço e prazo. Além disso, essas embarcações são 70% mais eficientes energeticamente. Um dos modelos, por exemplo, é movido a gás, o que reduz a poluição a zero.

As novas barcas terão ar condicionado e um sistema moderno de navegação com proa dupla, o que vai permitir a atracação nos dois terminais, sem manobras. A velocidade dessas embarcações vai permitir uma travessia de 15 minutos e o número das acomodações vai dobrar.

O transporte por barcas é a melhor alternativa para quem precisa transitar entre Rio e Niterói. Mas as melhorias oferecidas pela companhia ainda não conseguem acompanhar a demanda na mesma velocidade. Essa nova aquisição é parte de uma série de investimentos em curso no sistema, assim como a modernização e ampliação das estações de embarque.

Com isso, espera-se agora solucionar alguns dos problemas que mais afligem os passageiros como a superlotação e a demora no tempo de espera entre as travessias, principalmente nas horas de maior movimento. Como usuário das barcas também espero por melhorias.